Pular para o conteúdo principal

BREVE HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO II

CENTRO DE ESTUDOS PRESBITERIANO
SEMINÁRIO PRESBITERIANO FUNDAMENTALISTA DO BRASIL.
DISCIPLINA: Hermenêutica Bíblica.
TURMA: EAD-PATOS - PB.
Prof. Rev. João França.
Aula 04: BREVE HISTÓRIA DA INTERPRETAÇÃO II
Introdução:
No estudo anterior estivemos avaliando a história dos primórdios da interpretação das Escrituras. Vimos como o Antigo Testamento foi interpretado e também observamos os primórdios da interpretação cristã do Novo Testamento até os primeiros pais da igreja.
Neste estudo iremos continuar a nossa jornada interpretativa em três importantes períodos da história da interpretação: A Idade Média; o período da Reforma Protestante e por fim, avaliaremos a interpretação atual.
I – A INTERPRETAÇÃO BÍBLICA NA IDADE MÉDIA.
Consideremos agora o período da Idade Média no que respeita a tarefa da interpretação bíblica. Kaiser lembra-nos que neste período “muitos membros do clero, sem falar nos leigos, eram ignorantes até mesmo sobre o que a Bíblia dizia”.[1] Neste tempo “A interpretação foi amarrada pela tradição, e o que se destacava era o método alegórico.”[2] A perspectiva hermenêutica da quadriga “dominou a interpretação bíblica no período da Idade Média. Alguns, como Bonaventura, teólogo católico franciscano do século 13” chegou “a defender que havia sete níveis sentido em cada passagem”[3]
Neste período temos um grande apoio aos dogmas da Igreja Católica Apostólica Romana.  Temos o proeminente teólogo como Hugo de São Vítor que dizia que primeiramente se deveria aprender no que se deve acreditar, e, então, depois procurar na Bíblia tal ensino.[4]
Virkler ressalta um ponto importante sobre a Hermenêutica medieval que devemos levar em consideração:
Embora predominasse o método quádruplo de interpretação, outros tipos de exegese ainda estavam sendo desenvolvidos. No decorrer do último período medieval, os cabalistas na Europa e na Palestina continuaram na tradição do primitivo misticismo judaico.  Levaram a prática do "letrismo" ao ridículo. Acreditavam que cada letra, e até mesmo cada possível transposição ou substituição de letras, tinha significação sobrenatural. Na tentativa de desvendar mistérios divinos, recorreram aos seguintes métodos: substituir uma palavra bíblica por outra que tinha o mesmo valor numérico; acrescentar ao texto por considerar cada letra de uma palavra como a letra inicial de outras; substituir novas palavras num texto por algumas letras das palavras primitivas.[5]
Mas, foi com o Tomás de Aquino que o sentido literal voltou ao cenário dos estudos da interpretação na chamada Idade Média.[6] Para Aquino o sentido literal servia de “base para todos os outros sentidos das Escrituras”.[7] Entretanto, foi com Nicolau de Lira, um estudioso judeu convertido ao cristianismo, que desenvolveu a prática de consulta aos originais, buscando a intenção do sentido literal do texto, foi a obra deste erudito que deu ímpeto a Martinho Lutero no processo de Reforma da Igreja.[8]
II – A INTERPRETAÇÃO BÍBLICA NO PERÍODO DA REFORMA.
            Agora nosso trabalho se ocupa em discutir a temática da interpretação durante a chamada Reforma Protestante. Estudaremos os dois principais reformadores (Lutero e Calvino) e no movimento reformado puritano.
2.1 – Os Principais Reformadores:
2.1.1 – Martinho Lutero a interpretação:
Martinho Lutero “nasceu no dia 10 de novembro de 1483 na pequena cidade de Eislebn. Seu pai, de origem camponesa livre, emigrou de muito longe para essa cidade” também somos informados que o seu pai era minerador “e que chegou a ficar consideravelmente rico”.[9]  Lutero fora destinado ao direito, este era o plano de seu pai, mas “voltou-se para o mosteiro, no qual, após muitas lutas, desenvolveu uma nova compreensão de Deus, da fé e da igreja”[10].
            Lutero eclodiu a Reforma Protestante quando afixou as suas teses na igreja de Wittemberg; a sua série de estudos teológicos na Carta de Paulo aos romanos o levou para a doutrina do Sola Fide – somente a fé.  Juntamente com seus ataques as indulgências o levaram para Leipzig em Julho de 1519.[11]
            Lutero “acreditava que a fé e a iluminação do Espírito eram requisitos indispensáveis ao intérprete da Bíblia. Asseverava ele que a Bíblia devia ser vista com olhos inteiramente distintos daqueles com os quais vemos outras produções literárias.”[12] Erasmo de Roterdã foi o impulsionador da exegese e hermenêutica da Reforma pela publicação do seu Novo Testamento Grego[13]. O reformador alemão, por sua vez, faz uma tradução da Bíblia para o vernáculo, esta foi uma das grandes contribuições de Lutero à interpretação bíblica.[14] Martinho Lutero “rejeitou o método alegórico de interpretação da Escritura, chamando-o de "sujeira", "escória", e "um monte de trapos obsoletos"[15] Para ele “uma interpretação adequada da Escritura deve proceder de uma compreensão literal do texto.”[16]
2.1.2 – João Calvino o Intérprete da Reforma:
Existe um personagem na Reforma Protestante que tem instigado a muitos debates entre os eruditos em história, filosofia, educação e homilética – João Calvino certamente é o homem que é querido por uns e odiado por outros. Um escritor captou bem esta concepção quando escreveu:
Poucas pessoas na história do cristianismo têm sido tão supremamente estimadas ou tão mesquinhamente desprezadas quanto João Calvino. A maioria dos cristãos, dentre os qual grande parte dos protestantes, conhece apenas dois aspectos a respeito  dele: acreditava na predestinação e ordenou que Serveto fosse queimado vivo. Desses dois fatos, ambos verdadeiros, emerge a caricatura usual de Calvino como o grande inquisidor do protestantismo, o tirano cruel de Genebra, uma figura rabugenta, rancorosa e completamente desumana. [17]
João Calvino nasceu em Noyon, na Província da Picardia, na França, na fronteira dos Países Baixos, em 1509. Seu pai, Gerard Cauvin, era advogado que trabalhou para o cônego desta cidade, e sua mãe, Jeanne de La Franc, era uma mulher muito piedosa. Batizado na tradição católica teve como padrinho Jean Vatine, cônego da Catedral em Noyon. Foi enviado para estudar Teologia em Paris, onde estudou latim e humanidades no Collège de la Marche e teologia no Collège de Montaigu,[18]. Ele era conhecido como “O professor de Sagradas Letras”[19]. Um mestre singular, um grande pregador. Era um homem dedicado aos estudos, e muitos no seu tempo “o tinham já em admiração, pela erudição e zelo que nele se percebiam”[20] A conversão de Calvino se deu em 1533, provavelmente sob a influência do seu primo Robert Olivétan, e a respeito deste fato disse:
Deus, pela secreta orientação de sua providência, finalmente deu uma direção diferente ao meu curso. Inicialmente, visto eu me achar tão obstinadamente devotado às superstições do papado, para que pudesse desvencilhar-me com facilidade de tão profundo abismo de lama, Deus, por um ato súbito de conversão, subjugou e trouxe minha mente a uma disposição  suscetível, a qual era mais empedernida em tais matérias do que se poderia esperar de mim naquele primeiro período de minha vida. Tendo assim recebido alguma experiência e conhecimento da verdadeira piedade, imediatamente me senti inflamado de um desejo tão intenso de progredir nesse novo caminho que, embora não tivesse abandonado totalmente os outros estudos, me ocupei deles com menos ardor.[21]
O reformador João Calvino teve grande progresso na tarefa da Reforma em Genebra porque as suas “crenças sobre a Palavra de Deus e a centralidade das Escrituras na vida da Igreja definiam sua pregação muito antes de ele levantar-se para expor a Palavra.”[22]. Timothy George assegura que “a grande realização de Calvino foi tomar os conceitos clássicos da Reforma (sola gratia, sola fide, sola scriptura) e dar-lhes uma exposição sistemática, que nem Lutero e nem Zuínglio  jamais fizeram, adaptando-os ao contexto civil de Genebra”.[23] Timothy George lembra-nos que “Calvino acreditava que a Bíblia era a ‘escola do Espírito Santo’. Seus escritores foram instrumentos, órgãos, amanuenses do Espírito Santo.”[24] O próprio Calvino ensina, comentando Salmo 19.7, que a Palavra de Deus revelava o pleno conhecimento de Deus: “o salmista agora se volve para os judeus, a quem Deus havia comunicado um conhecimento mais pleno por meio de sua palavra”.[25] Hermisten Maia nos lembra que Calvino era versátil em sua interpretação devido a sua “acuidade hermenêutica e exegética”[26] Virkler nos lembra:
"A Escritura interpreta a Escritura" era uma sentença predileta de Calvino, a qual aludia à importância que ele dava ao estudo do contexto, da gramática, das palavras, e de passagens paralelas, emlugar de trazer para o texto o significado do próprio intérprete. Numa famosa sentença ele declarou que "a primeira tarefa de um intérprete é deixar que o autor diga o que ele de fato diz, em vez de atribuir-lhe o que pensa que ele deva dizer"[27]
2.2 – Os Puritanos como Intérpretes da Bíblia:
O termo Reformado, na Inglaterra, tornou-se conhecido pelo chamado movimento “puritano”, David Martyn Lloyd-Jones nos lembra da dificuldade que há em definir o termo Puritano.[28]Packer informa que o termo foi cunhado como algo pejorativo desde o seu início[29], o termo estava associado a irmãos piedosos que queriam uma igreja pura, sociedade pura e governo puro.
Beeke e Jones afirmam que a hermenêutica e exegese puritana era norteada por princípios gerais importantíssimos. Que podemos sumarizar dos seguinte modo: Eles desenvolveram uma hermenêutica pactual [30]onde as duas alianças (das obras e da graça) tinham um papel importante na interpretação das Escrituras.
Os puritanos desenvolveram o princípio do Foco Cristológico aqui eles entendiam que a totalidade das Escrituras apontava para Cristo. Então, qualquer pessoa que pretender ler e interpretar as Escrituras deve perseguir a Pessoa de Cristo em cada página da Palavra de Deus.[31]Eles também asseveravam a necessidade o Sentido Literal das Escrituras para a sua compreensão, isto implica no “sentido único que não é múltiplo” conforme lemos na Confissão de Fé de Westminster, elaborada pelos puritanos, no capítulo primeiro seção nove.[32] Os teólogos puritanos também fizeram o uso sobjo da tipologia como um princípio válido na interpretação da Escritura. Oferecendo diretrizes como encontrar a Tipologia no processo interpretativo.[33]Outro principio interpretativo bastante usado pelos puritanos foi o chamado anologia fidei ou analogia da fé. Este principio está claramente definido na Confissão de fé de Westminster 1.9 – quando nos ensina a procurar outros textos para elucidar passagens bíblica parecem ser difíceis sua interpretação.[34]
Beeke e Jones também ressaltam o principio da Conclusão Válida e Inescapável. Este princípio estabelece que há coisas que são “logica e necessariamente deduzido das Escrituras” conforme lemos na Confissão de Westminster no capítulo 1 seção 6. É neste principio que os puritanos entendiam a validade do Pedobatismo.[35]
            A grande questão puritana era: como devemos interpretar a Bíblia?
1.      Interprete as Escrituras literal e gramaticalmente: Os puritanos seguiam o método histórico gramatical de interpretação.
2.      Interprete as Escrituras de modo consciente e harmônico: Os puritanos defendiam a unidade das Escrituras e a interpretação deveria revelar essa unidade.
3.      Interprete as Escrituras teocêntrica e doutrinariamente: A Bíblia é um livro doutrinário e fala-nos sobre Deus nossa interpretação deve ressaltar isso, conforme o entendimento puritano.
4.      Interprete as Escrituras cristológica e evangelisticamente: Cristo é o verdadeiro tema das Escrituras, então, na mente puritana na interpretação devemos olhar Cristo em cada passagem bem como apresentar Cristo.
5.      Interpreta as Escrituras de modo experimental e prático: A teologia puritana era experimental e a Bíblia fala a nossa experiência diária bem como sendo um livro prático, nossa prédica e interpretação deve ressaltar este aspecto.
6.      Interprete as Escrituras com uma aplicação fiel e realista: A aplicação das Escrituras transmutada para uma prática na vida real é o ideal puritano na interpretação.[36]

III – A INTERPRETAÇÃO BÍBLICA NOS DIAS ATUAIS:
            Nos dias atuais a interpretação chegou a seu estado da dúvida. Aqui vemos o surgimento das diversas escolas modernas de interpretação, faremos uma breve apresentação dessas escolas para conhecimento geral e histórico:
3.1 – Liberalismo Teológico:
O liberalismo é o desdobramento lógico do racionalismo. Dentro deste processo  deu-se autonomia a razão em detrimento da revelação. Desenvolveu-se um método próprio de interpretação das Escrituras conhecido como Método Histórico-Crítico. Vale salientar que este procedimento hermenêutico “legou à igreja uma Bíblia que deixou de ser Palavra de Deus para ser tornar testemunho de fé do povo de Israel e da Igreja primitiva”.[37] Neste método interpretativo encontramos as seguintes características:
1.      Racionalismo: Onde a razão “substitui a revelação como fonte de autoridade. O sobrenatural é rejeitado e a razão é estabelecida como critério supremo da verdade”.[38]
2.      Historicismo: As Escrituras não são “o registro inspirado da revelação divina, mas o registro histórico das ideias e aspirações religiosas humanas”.[39]
3.      Objetivismo: A Bíblia deve estuda sem pressupostos dogmáticos e teológicos. Barton diz que está a é acusação, pois, no inicio desta escola a “busca objetiva e cientifica da verdade por parte de um estudioso imparcial é algo falho e já está desacreditada” pois, até o próprio Barton reconhece que “ninguém é realmente ‘imparcial’ cada um tem um interesse pessoal”[40] na interpretação.
3.2    – A Interpretação na Neo-0rtodoxia
Este sistema ensina que a Bíblia não é a Palavra infalível de Deus, mas que apensa contem a Palavra de Deus, ela se transforma em Palavra quando leio, ou quando escutamos algum sermão a nos dirigido com base na Bíblia. Virkler sumariza muito bem essa posição para nós:
Os que se encontram dentro dos círculos neo-ortodoxos geralmente crêem que a Escritura é o testemunho do homem à revelação que Deus faz de si próprio. Sustentam que Deus não se revela em palavras, mas apenas por sua presença. Quando alguém lê as palavras da Escritura e reage com fé à presença divina, ocorre a revelação. A revelação não é considerada como algo ocorrido num ponto histórico, o qual agora nos é transmitido nos textos bíblicos, mas uma experiência presente que deve fazer-se acompanhar de uma reação existencial pessoal.[41]
Conclusão:

            Neste breve apanhado histórico nós ofereceremos uma visão lacônica de como a interpretação bíblica se desenvolveu através de seus principais representantes e expoentes; o objetivo foi deixar o aluno consciente de que o seu processo interpretativo não é vácuo no escuro, mas pode ser reflexo de correntes e pressuposições teológicas e filosóficas que fora se construindo ao longo do tempo.



                                                      




REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1.      ANGLADA, Paulo Roberto Batista. Introdução à Hermenêutica Reformada. Ananindeua: Knox Publicações, 2006.
2.      BARTON, John. Historical-critical approaches. In: BARTON, John (ed). Biblical Interpretation. Cambridge, United Kingdom: Cambridge University Press, 1998.
3.      BEEKE, Joel. R.; JONES, Mark. Teologia Puritana – Doutrina para a Vida. Tradução: Marcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 2016.
4.      BEZA, Theodoro de. A Vida e a Morte de João Calvino. Tradução: Waldyr Carvalho Luz. São Paulo: Editora Luz para o Caminho, 2006.
5.      CAIRNS, Eearle. E. O Cristianismo através dos Séculos – Uma História da Igreja Cristã. Tradução: Israel Belo de Azevedo; Valdemar Kroker. São Paulo: Vida Nova, 2008.
6.      CALVINO, João. Comentário sobre o Livro de Salmos, Volume 1. Tradução: Valter Graciano Martins, São Paulo: Editora Fiel, 2009.
7.      COSTA, Hermisten Maia Pereira da. A Inspiração e Inerrância das Escrituras – Uma Perspectiva Reformada. São Paulo: Cultura Cristã, 1998.
8.      FERREIRA, Wilson de Castro. Calvino: Vida, Influência e Teologia, São Paulo: Luz Para o Caminho,1998.
9.      CALVINO, Juan. Instiución de La Religión Cristiana. Tradução: Cipriano de Valera.  Barcelona:1999
10.  GEROGE, Timothy. Teologia dos Reformadores.Tradução: Gérson Dudus e Valéria Fontana. São Paulo: Editora Vida Nova, 1994
11.  HALSEMA, Thea B.  Von. João Calvino Era Assim.   São Paulo: Editora Os Puritanos, 2009
12.  KAISER JR, Walter. C.; SILVA, Moisés. Introdução à Hermenêutica Bíblica. São Paulo: Cultura Cristã, 2009, p.215.
13.  LAWSON, Steven. A Arte Expositiva de João Calvino. Tradução:Ana Paula Eusébio Pereira. São Paulo: Editora Fiel,2008, p.33-34.
14.  LLOYD-JONES, David Martyn. Os Puritanos suas Origens e seus Sucessores. Tradução: Odayr Olivetti. São Paulo: PES, 1993
15.   LOPES, Augustus Nicodemus. A Bíblia e Seus Intérpretes – Uma Breve História da Interpretação.
16.  PACKER, J.I. Entre os Gigantes de Deus – Uma Visão Puritana da Vida Cristã. São Paulo: Fiel, 1996
17.  VIRKLER, Henry A. Hermenêutica Avançada. São Paulo: Vida, 1987



[1] KAISER JR, Walter. C.; SILVA, Moisés. Introdução à Hermenêutica Bíblica. São Paulo: Cultura Cristã, 2009, p.215.
[2] VIRKLER, Henry A. Hermenêutica Avançada. São Paulo: Vida, 1987
[3] LOPES, Augustus Nicodemus. A Bíblia e seus Intérpretes – Uma Breve História da Interpretação. São Paulo: Cultura Cristão, 2004, p. 150.
[4] KAISER JR, Walter. C.; SILVA, Moisés. Introdução à Hermenêutica Bíblica. São Paulo: Cultura Cristã, 2009, p.215.

[5] VIRKLER, Henry A. Hermenêutica Avançada. São Paulo: Vida, 1987, p. 47.
[6] KAISER JR, Walter. C.; SILVA, Moisés. Introdução à Hermenêutica Bíblica. São Paulo: Cultura Cristã, 2009, p.215.
[7] Idem
[8] Idem.
[9] CAIRNS, Eearle. E. O Cristianismo através dos Séculos – Uma História da Igreja Cristã. Tradução: Israel Belo de Azevedo; Valdemar Kroker. São Paulo: Vida Nova, 2008, p. 259.
[10] GEORGE, Thimothy. Teologia dos Reformadores. Tradução: Gérson Dudus; Valéria Fontana. São Paulo: Vida Nova, 1994, p. 53.
[11] Ibid, p.81.
[12] VIRKLER, Henry A. Hermenêutica Avançada. São Paulo: Vida, 1987, p.48.
[13] KAISER JR, Walter. C.; SILVA, Moisés. Introdução à Hermenêutica Bíblica. São Paulo: Cultura Cristã, 2009, p.216
[14] Idem.
[15] VIRKLER, Henry A. Hermenêutica Avançada. São Paulo: Vida, 1987, p.48.
[16] Idem.
[17] GEROGE, Timothy. Teologia dos Reformadores.Tradução: Gérson Dudus e Valéria Fontana. São Paulo: Editora Vida Nova, 1994, p.167.
[18] FERREIRA, Wilson de Castro. Calvino: Vida, Influência e Teologia, São Paulo: Luz Para o Caminho,1998, p. 41.
[19] HALSEMA, Thea B.  Von. João Calvino Era Assim.   São Paulo: Editora Os Puritanos, 2009, p.68.
[20] BEZA, Theodoro de. A Vida e a Morte de João Calvino. Tradução: Waldyr Carvalho Luz. São Paulo: Editora Luz para o Caminho, 2006, p.11.
[21] CALVINO, João. Comentário sobre o Livro de Salmos, Volume 1. Tradu
ção: Valter Graciano Martins, São Paulo: Editora Fiel, 2009, p.31.
[22] LAWSON, Steven. A Arte Expositiva de João Calvino. Tradução:Ana Paula Eusébio Pereira. São Paulo: Editora Fiel,2008, p.33-34.
[23] GEORGE, Timothy. Teologia dos Reformadores. Tradução: Gérson Dudus e Valéria Fontana. São Paulo: Editora Vida Nova, 1994, p.167.
[24] GEORGE, Timothy. Teologia dos Reformadores. Tradução: Gérson Dudus e Valéria Fontana. São Paulo: Editora Vida Nova, 1994, p.167; “Por que a Escritura é a escola do Espírito Santo  na qual nada tem deixado coisa alguma que não seja necessária e útil conhecer, nem muito menos se ensina mais do que é necessário saber.” (CALVINO, Juan. Instiución de La Religión Cristiana. Tradução: Cipriano de Valera.  Barcelona:1999, Livro III, Capítulo 21, seção 3.)
[25] CALVINO, João. Comentário sobre o Livro de Salmos, Volume 1. Tradução: Valter Graciano Martins, São Paulo: Editora Fiel, 2009, p.379.
[26] COSTA, Hermisten Maia Pereira da. A Inspiração e Inerrância das Escrituras – Uma Perspectiva Reformada. São Paulo: Cultura Cristã, 1998, p. 118.
[27] VIRKLER, Henry A. Hermenêutica Avançada. São Paulo: Vida, 1987, p.49
[28] LLOYD-JONES, David Martyn. Os Puritanos suas Origens e seus Sucessores. Tradução: Odayr Olivetti. São Paulo: PES, 1993, p.247.
[29] PACKER, J.I. Entre os Gigantes de Deus – Uma Visão Puritana da Vida Cristã. São Paulo: Fiel, 1996, p.17.
[30] BEEKE, Joel. R.; JONES, Mark. Teologia Puritana – Doutrina para a Vida. Tradução: Marcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 2016, p.58-63.
[31] Ibid, p.63-64
[32] Ibid, p.65-67
[33] Ibid, p.67-69
[34] Ibid, p.69-71.
[35] Ibid, p.71-72
[36] PACKER, J.I. Entre os Gigantes de Deus – Uma Visão Puritana da Vida Cristã. São Paulo: Fiel, 1996, p.109-114.
[37] LOPES, Augustus Nicodemus. A Bíblia e Seus Intérpretes – Uma Breve História da Interpretação.
[38] ANGLADA, Paulo Roberto Batista. Introdução à Hermenêutica Reformada. Ananindeua: Knox Publicações, 2006, p.54
[39] Idem.
[40] BARTON, John. Historical-critical approaches. In: BARTON, John (ed). Biblical Interpretation. Cambridge, United Kingdom: Cambridge University Press, 1998, p.12-13.
[41] VIRKLER, Henry A. Hermenêutica Avançada. São Paulo: Vida, 1987, p.52.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O PROFETA JOEL

JOEL
Pr. João Ricardo Ferreira de França* I – QUESTÕES INTRODUTÓRIAS1 - O Nome do Autor: O nome deste profeta na língua original é “יוֹאֵ֖ל(yoe’l)” cujo sentido é “eu sou Deus”[1] ou “Yahweh é Deus” temos poucas informações sobre ele. Somos informados que  o nome  de seu pai é “פְּתוּאֵֽל (pethuel)” nome que tem o sentido de “persuadido por Deus”[2] (Joel 1.1). Ele morou e profetizou para Judá (Reino do Sul). Alguns comentaristas sugerem que ele tenha sido sacerdote ou que tinha “um vínculo oficial com o templo”[3]Isto porque no seu livro há muitas referências ao “ofício Sacerdotal”[4] 2 - Data do Livro:             O erudito Judeu Ibn Ezra “considerava impossível saber quando foi escrita esta obra”[5] Calvino é de opinião similar ao declarar que “o tempo no qual ele [Joel] profetizou é incerto”[6] outro escritor informa que “as datas propostas para o ministério de Joel e para a redação de seu livro variam desde o início do nono século a.C.”[7] As datas para a escrita do livro variam de 83…

A HERMENÊUTICA DA REFORMA

CENTRO DE ESTUDOS PRESBITERIANO www.centrodeestudospresbiteriano.blogspot.com.br . A HERMENÊUTICA DA REFORMA. Prof. Rev. João França* Introdução: No estudo anterior estivemos avaliando a história dos primórdios da interpretação das Escrituras. Vimos como o Antigo Testamento foi interpretado e também observamos os primórdios da interpretação cristã do Novo Testamento até os primeiros pais da igreja. Neste estudo iremos continuar a nossa jornada interpretativa em três importantes períodos da história da interpretação: A Idade Média; o período da Reforma Protestante e por fim, avaliaremos a interpretação atual. I – A INTERPRETAÇÃO BÍBLICA NA IDADE MÉDIA. Consideremos agora o período da Idade Média no que respeita a tarefa da interpretação bíblica. Kaiser lembra-nos que neste período “muitos membros do clero, sem falar nos leigos, eram ignorantes até mesmo sobre o que a Bíblia dizia”.[1] Neste tempo “A interpretação foi amarrada pela tradição, e o que se destacava era o método alegórico.”[2] A …

A INTERPRETAÇÃO DO APOCALIPSE

A INTERPRETAÇÃO DO APOCALIPSE Rev. David Chilton Tradução: Rev. João Ricardo Ferreira de França.
            Logo de inicio, enfrentamos dois problemas quando tentamos estudar o Apocalipse. O primeiro é a questão de estarmos seguros de que a nossa interpretação é correta – colocando limites em nossa imaginação para não forçar a Santa Palavra de Deus a entrar em molde de nossa própria invenção. Devemos permitir que o livro de Apocalipse diga o que Deus pretendeu  dizer. O segundo problema é a questão da ética – que fazer com o que temos aprendido. O modelo bíblico de interpretação.             No próprio versículo primeiro de Apocalipse, João nos proporciona uma importante chave interpretativa: “Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer e que ele, enviando por intermédio do seu anjo, notificou ao seu servo João,” (Apocalipse 1.1 ARA). O uso do termo “Notificou [declarou]” nos fala que a profecia não deve ser considerada s…