sábado, 11 de outubro de 2014

A AUTORIA DO LIVRO DE GÊNESIS

A AUTORIA DO LIVRO DE GÊNESIS
Prof. Rev. João Ricardo Ferreira de França.
Introdução:
            O livro de Gênesis tem sido estudado e debatido ao longo dos  séculos. No Século XIX ele foi alvo de uma gama de considerações, especulações no meio acadêmico de forma geral. E uma das ocupações destas discussões certamente concentra-se sobre a temática: Quem escreveu Gênesis? O nosso estudo se ocupa desta temática.
I -  A AUTORIA MOSAICA DO LIVRO DE GÊNESIS.
            A pergunta dominante entre os eruditos em Antigo Testamento é a seguinte: Moisés escreveu Gênesis? Dois problemas decorrem da resposta oferecida a esta importante questão: “Negue que Moisés escreveu o Pentateuco, e alguns suspeitarão, da sua lealdade à fé. Afirme que Moisés escreveu o Pentateuco, e outros questionarão a sua inteligência”[1].
            A questão da autoria do livro de Gênesis está vinculada a compreensão de quem Escreveu o Pentateuco. Esse questionamento concernente à autoria se dá porque “tecnicamente Gênesis é um livro anônimo”[2]. Então, a busca pela autoria do livro deve-se estender pela procura do autor do conjunto de livros que formam o Pentateuco.
            A tradição da igreja tem sustentando que Moisés seja o autor dos cinco primeiros livros da Bíblia. Um erudito em Antigo Testamento declara:
O autor humano do Pentateuco foi Moisés, o grande legislador de Israel. É fato que não existe nenhuma introdução, anotação, ou declaração  que a obra em toda a sua extensão seja produto de Moisés (Cronill). Contudo, há um testemunho convincente, de que Moisés escreveu o Pentateuco.[3]
             Quais  são as indicações que nos levam a crer que Moisés seja o autor do livro de Gênesis.

1. Somos informados no Pentateuco que Moisés recebeu revelação e registrou atos redentores:
          O autor do Gênesis recebera de Deus revelações e registrou atos redentores para a posteridade conforme somos ensinados na totalidade dos cinco livros da Lei.  E tais registros são atribuídos a Moisés:
1.1 – Ele escreveu centros acontecimentos históricos: (Êxodo 17.14; Números 33.2)
1.2 – Ele escreveu leis: (Êxodo 24.4; 34.27)
1.3 – Ele escreveu um Cântico (Deuteronômio 31.22; veja-se Deuteronômio 32)
2. Há indicações à atividade de escrita por Moisés.
            Na leitura que fazemos do Pentateuco há fortes indicações que liga a autoria dos cinco livros a Moisés.
2.1 – Há indicação de que Moisés deixou uma tradição escrita: (Josué 1.6,7).
2.2 – Posteriormente os israelitas referem-se ao Pentateuco como sendo a “Lei de Moisés” ( 2º Crônicas 25.4; Esdras 6.18; Neemias 13.1)
2.3 – O Novo Testamento assevera que o Pentateuco é obra de Moisés: (Mateus 19.7; 22.24; Marcos 7.10; João 1.17; 5.46; 7.23).
            Notemos que tais textos não se referem diretamente ao Livro que estamos estudando, mas refere-se ao Pentateuco, o qual Gênesis é considerado o primeiro capítulo. Por isso, consideramos que Gênesis tenha a sua autoria associada a Moisés.
II -  DIFICULDADES COM A AUTORIA MOSAICA DO LIVRO DO GÊNESIS.
            Apesar de toda esta evidência a respeito da autoria do Livro ainda existem dificuldades em relacionar Moisés como o autor da totalidade do Pentateuco. O exemplo mais gritante é o caso de Deuteronômio 34 que trata da Morte de Moisés; será que Moisés escreveu a sua própria morte? Alguns têm apelado para a questão de uma revelação especial de Deus. Todavia, é provável que se trate de uma edição posterior à morte de Moisés. Mas, será que isso invalida a questão da autoria mosaica para o livro como um todo? Vejamos mais alguns exemplos:

2.1 – Dificuldades Posteriores a Moisés:
1. A correção de dados Geográficos e históricos:
Gênesis 11.28,31; 15.7 – Nesta narrativa figura o nome da cidade de Abrão “Ur dos Caldeus”. A cidade de Ur sua existência é aceita pelos eruditos, o problema está no designativo da cidade “dos Caldeus”. Os Caldeus foi um povo que viveu no primeiro milênio antes de Cristo; consequentemente posterior a Moisés, ou seja, ele já estava morto.
O que ocorreu? Alguém adicionou o designativo para localizar o leitor exatamente onde era a cidade. E, isso foi necessário ser feito porque havia outras cidades com o nome de Ur. Então, ao acrescentar essa designação a intenção era mostrar de qual cidade vinha o ancestral do povo de Deus.[4]
2 . Alteração de Nomes e Lugares:
            O nosso segundo exemplo vem de Gênesis 14. Nesta passagem é-nos dito que Abrão luta com os reis para libertar ao seu sobrinho Ló. No verso 14 aparece o nome da cidade de Dã; entretanto,  o nome da cidade foi dado muito tempo depois de Abraão conforme vemos em Juízes 17-18; tal cidade já existia no tempo do patriarca, mas sob o nome de Laís. Fica-se claro que tal empreitada editorial da alteração do nome da cidade era para que os leitores soubessem onde realmente ficava esse lugar.
2.2 – Dificuldades Anteriores a Moisés:
            Devemos nos lembrar de que o Livro do Gênesis é uma narrativa dos inícios; tais, como a criação do mundo. A pergunta a ser feita é como Moisés tomou conhecimento dos eventos da criação anteriores a sua própria existência? Alguns poderão dizer que tratou-se de uma revelação divina; todavia, essa possibilidade na composição do livro não cientifica e nem salutar para as nossas pesquisas.[5] A posição que entendemos pelas evidências do texto de Gênesis é que Moisés utilizou-se de outras fontes para compor o livro. Vejamos:
1. Há fórmulas Literárias que indicam o uso de fontes:
            Existe na narrativa de Gênesis uma fórmula literária que é chamada de “Toledot” que são sentenças que começam pela expressão hebraica: “אֵ֣לֶּה תוֹלְד֧וֹת ” – ‘eleh Tholedoth” que tem como tradução “estas são as gerações de”.  É bom que se diga que o livro do Gênesis tem sido estruturado de diversas formas. Alguns tem sugerido que o livro possui várias seções, embora tais estruturas, não sejam facilmente percebida em nosso idioma. “Isso ocorre porque, na maioria das traduções, a palavra hebraica toledoth é traduzida por mais de uma expressão em português. A expressão hebraica completa ’elleh toledoth, que aparece onze vezes no livro de Gênesis.”[6]
"ESSAS SÃO AS GERAÇÕES DE..."
Fórmula
Conteúdo
Referência
No princípio, criou Deus...
Criação
1.1 – 2.3
Esta é a gênese dos céus e da terra
Criação
2.4 – 4.26
Este é o livro da genealogia de Adão
Genealogia de Sete a Noé
5.1 – 6.8
Eis a história de Noé.
Dilúvio & Aliança
6.9 – 9.29
São estas as gerações dos filhos de Noé, Sem, Cam e Jafé
Base das nações & Babel
10.1 – 11.9
São estas as gerações de Sem
Genealogia de Sem a Abrão.
11.10-26
São estas as gerações de Tera.
História de Abrão
11.27 – 25.11
São estas as gerações de Ismael, filho de Abraão,
Genealogia de Ismael
25.12-18
São estas as gerações de Isaque, filho de Abraão.
Transmissão de bênção de Isaque para Jacó
25.19 – 35.29
São estes os descendentes de Esaú
Genealogia de Esaú
36.1-43
Esta é a história de Jacó
José & Israel no Egito
37.1 – 50.26

            Estas fórmulas tratam-se de materiais escritos previamente, antes mesmo de Moisés existir, que pode ser provado em Gênesis 5.1 que trata do “livro das gerações de Adão” conforme lemos no próprio texto hebraico: “סֵ֔פֶר תּוֹלְדֹ֖ת ” – Sefer Tholedoth. Então, já havia uma tradição escrita da qual o autor do livro de Gênesis fez uso.
2. Parece haver indicações de autoria múltipla no texto de Gênesis.
            Outra dificuldade que encontramos em respeito à autoria mosaica do livro de Gênesis está no fato de que o próprio livro parece indica que há mais de um autor em sua composição final. Vejamos alguns exemplos:
2.1 – O caso da venda de José (Gênesis 37.25-28):
            A questão é que a passagem narra a venda de José o filho preferido de Jacó. E a questão perturbadora no texto é a seguinte: Para quem os filhos de Jacó venderam José? Para os Ismaelitas ou Medianitas ? Alguns sugerem que havia dois relatos da venda de José por causa dessa alternância dos nomes; implicando, que o texto não é fruto de um único autor.
            “Os dois termos são usados de forma intercambiáveis (Juízes 8.24); “Daí parece que “ismaelita” era um termo inclusivo, abrangendo os primos nômades de Israel (Ismael era o rebento mais velho de Abraão), mais ou menos como o termo “ árabe” abarca numerosas tribos em nossa maneira de falar, podendo alternar com um dos seus nomes sem ofensa ou erro.”[7]
2.2 – O Relato da criação (Gênesis 1 e 2)
            Ambos os relatos foram escritos de uma perspectiva diferente e até com pontos de tensão. Por exemplo, em Gênesis 1 a vegetação e criado no terceiro dia e o homem no sexto. Já em Gênesis 2.5 é nos dito que o casal é edênico foi criado quando não havia erva alguma no campo. A explicação que muitos oferecem é de que se trata de dois relatos escritos por autores diferentes. Todavia, a narrativa se concentra na ordem lógica, “a saber, que quando Deus fez a terra, esta não era inicialmente o hospitaleiro lugar que conhecemos (Não havia ainda nenhuma planta... ainda nenhuma erva, 5)”[8]. A linguagem aqui é informativa. O autor informa ao leitor o processo da criação.


[1] LONGMAN III, Tremper. Como Ler Gênesis. Tradução: Marcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 2009, p.47.
[2] Idem.
[3] YOUNG, Edward J. Una Introducción Al Antiguo Testamento, MI: TELL, 1991, p.32.
[4]LONGMAN III, Tremper. Como Ler Gênesis. Tradução: Marcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 2009, p.50

[5] Deixamos claro que cremos na revelação que Deus fez de si mesmo por meio da instrumentalidade dos homens chamados por ele mesmo; tais como o próprio Moisés que recebeu diretamente das mãos de Deus os dez mandamentos.
[6] LONGMAN III, Tremper. Como Ler Gênesis. Tradução: Marcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 2009, p.72
[7] KDINEY, Derek, Gênesis – Introdução e Comentário, Tradução: Odayr Olivetti, São Paulo: Vida Nova,  P.171
[8] Ibid, p.56.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

AULA 04 - O CÂNON DAS SAGRADAS ESCRITURAS.


O CÂNON DAS SAGRADAS ESCRITURAS.

Prof. Rev. João Ricardo Ferreira de França.

SEÇÃO III – Os livros geralmente chamados Apócrifos, não sendo de inspiração divina, não fazem parte do cânon da Escritura; não são, portanto, de autoridade na Igreja de Deus, nem de modo algum podem ser aprovados ou empregados senão como escritos humanos.
Ref. Luc. 24:27,44; Rom. 3:2; II Pedro 1:21.
            Esta é mais uma daquelas estupendas declarações da Confissão de Fé de Westminster. Aqui nesta seção vamos trabalhar vários conceitos do tipo: o que é um livro apócrifo? O que se refere a doutrina da canonicidade? Quais os critérios usados pela igreja para se chegar ao cânon que possuímos?
            Estas e outras questões nós abordaremos aqui neste estudo. Pois, é de suma importância para a Igreja entender adequadamente a doutrina aqui enunciada.

1. A DOUTRINA DA CANONICIDADE DAS ESCRITURAS.

            O que significa o termo “cânon”? Geralmente se entende que a Escritura é o “Cânon” de nossa fé. A formação e a estrutura da Bíblia para nós requer que procuremos uma definição simples, todavia, clara e profunda do que o conceito encerra.
            A palavra “cânon” é uma mera transliteração do termo grego “kanw,n” – kanôn – que significa vara reta, régua, regra. É uma palavra usada com referência para indicar a autoridade suprema da Bíblia sobre a vida dos cristãos. Ou seja, refere-se aos livros que compõem a Bíblia conforme conhecemos.[1]
         Uma definição mais lexical nos informa que a origem da palavra “cânon” é derivada
de uma de uma raiz semítica [assírio Qanû; ugarítico:Qn; hebraico: hn<q;)( (Qâneh) ocorre 61 vezes no Antigo Testamento e é sempre empregada no sentido literal (veja-se 1 Rs 14.15; Jó 40.21; Is 36.6; 42.3; Ez 40.3,5,7), significando ‘cana’ (planta que era usada para medir e pautar) “balança” (Is.46.6) e também ‘a cana para trançar os cestos, ou bastão reto[2]
Tomando por empréstimo podemos dizer que a palavra “Cânon” indica a nossa regra, o nosso limite e ainda mais, o nosso padrão; sendo todos estes sentidos aplicados à Palavra de Deus.

1 – A Estrutura Canônica do Antigo Testamento

            A Bíblia possui, dentro de sua disposição canônica, oito seções, sendo quatro no Antigo Testamento e quatro no Novo Testamento.[3] Vamos no deter neste momento sob o Antigo Testamento e a sua estrutura canônica, sua formação e sua disposição no que respeita aos livros e classificações:

Livros do Antigo Testamento
A lei (Pentateuco) – 5 livros
Poesia – 5 livros
1. Gênesis
2. Êxodo
3. Levítico
4. Números
5. Deuteronômio
1. Jó
2. Salmos
3. Provérbios
4. Eclesiastes
5. O Cântico dos Cânticos
Historia – 12 livros
Profetas – 17 livros
 1. Josué
 2. Juízes
 3. Rute
 4. 1Samuel
 5. 2Samuel
 6. 1Reis
 7. 2Reis
 8. 1Crônicas
 9. 2Crônicas
10. Esdras
11. Neemias
12. Ester
A. Maiores
1. Isaías
2. Jeremias
3. Lamentações
4. Ezequiel
5. Daniel
B. Menores
 1. Oséias
 2. Joel
 3. Amós
 4. Obadias
 5. Jonas
 6. Miquéias
 7. Naum
 8. Habacuque
 9. Sofonias
10. Ageu
11. Zacarias
12. Malaquias
        
A tabela apresentada acima mostra a disposição dos livros conforme aparecem em nossa Bíblia, esta é a atual estrutura canônica das Escrituras conforme temos na Escritura Protestante (evangélica. Esta divisão foi ocasionada devido a influência da versão grega do Antigo Testamento conhecida como Septuaginta (LXX), conforme nos diz dois estudiosos:
A divisão do Antigo Testamento em quatro seções baseia-se na disposição dos livros por tópicos, com origem na tradução das Escrituras Sagradas para o grego. Essa tradução, conhecida como a Versão dos septuaginta (lxx), iniciara-se no século III a.C. A Bíblia hebraica não segue essa divisão tópica dos livros, em quatro partes. Antes, emprega-se uma divisão de três partes, talvez baseada na posição oficial de seu autor. Os cinco livros de Moisés, que outorgou a lei, aparecem em primeiro lugar. Seguem-se os livros dos homens que desempenharam a função de profetas Por fim, a terceira parte contém livros escritos por homens que, segundo se cria, tinham o dom da profecia, sem serem profetas oficiais..[4]
         Paulo Anglada chama a nossa atenção exatamente para isso quando diz: “Embora o conteúdo canônico protestante seja o mesmo do cânon hebraico, a divisão e a ordem dos livros são diferentes”[5] conforme vemos no quadro abaixo:
Disposição dos livros do Antigo Testamento hebraico
A lei
(Tora)
Os profetas
(Nebhiim)
Os escritos
(Kethubhim)
1. Gênesis
2. Êxodo
3. Levítico
4. Números
5. Deuteronômio
A. Profetas anteriores
1. Josué
2. Juízes
3. Samuel
4. Reis

B. Profetas posteriores
1. Isaías
2. Jeremias
3. Ezequiel
4. Os Doze
A. Livros poéticos
1. Salmos
2. Provérbios
3. Jó
B. Cinco rolos (Megilloth)
1. O Cântico dos Cânticos
2. Rute
3. Lamentações
4. Ester
5. Eclesiastes
C. Livros históricos
1. Daniel
2. Esdras-Neemias
3. Crônicas
        
Essa disposição é confirmada no Novo Testamento pelo próprio Senhor Jesus em Lucas 24.44

2 – A Estrutura Canônica do Novo Testamento

            Podemos dizer que a estrutura e organização do Novo Testamento são simples. Conforme podemos ver no quadro abaixo:
Livros do Novo Testamento
Evangelhos
História
1. Mateus
2. Marcos
3. Lucas
4. João
1. Atos dos Apóstolos
Epístolas
 1. Romanos
 2. 1Coríntios
 3. 2Coríntios
 4. Gálatas
 5. Efésios
 6. Filipenses
 7. Colossenses
 8. 1Tessalonicenses
 9. 2Tessalonicenses
10. 1Timóteo
11. 2Timóteo
12. Tito
13. Filemom
14. Hebreus
15. Tiago
16. 1Pedro
17. 2Pedro
18. 1João
19. 2João
20. 3João
21. Judas
Profecia
1. Apocalipse

2. CRITÉRIOS PARA A CANONICIDADE.

            A questão de se ter um cânon é: como saber se os livros do Novo Testamento que temos são os verdadeiros?  Eis ai a nossa questão.
            Quando no inicio do primeiro século começou a surgir uma variedade de livros arrogando-se serem os livros verdadeiros do cristianismo. A igreja se viu na obrigação de dizer quais livros eram divinos ou não; e por isso, se estabeleceu critérios pertinentes para se avaliar tais livros.

2.1 – Apostolicidade.

            Este é o primeiro critério estabelecido. Um livro para ser reconhecido como regra na vida da Igreja deveria ter sido escrito por um apóstolo ou por alguma pessoa ligada ao mesmo. Por exemplo, João Marcos (autor do evangelho de Marcos) não fora apóstolo, mas a tradição informa que Marcos fora “o intérprete de Pedro”[6]; esse critério era pertinente para evitar grotescos abusos que estavam sendo feito pelos inimigos da verdade.

2.2 – Leitura Eclesiástica.

            O segundo critério aponta para o fato de que os livros canônicos seriam reconhecidos também, por meio da leitura litúrgica de tais livros. Se a igreja sempre usou aquele referido o mesmo este deveria ser coloca na lista canônica. Este critério pode ser encontrado na própria escritura em Colossenses 4.16 e em 1 Timóteo 4.13.
            Um exemplo deste fato pode ser visto na apologia de Justino ao descrever o que ocorria em culto eucarístico:
E no dia chamado Domingo, todos quantos moram nas cidades ou no interior reúnem-se juntos num só lugar, são lidas as memórias dos apóstolos ou os escritos dos profetas, por tanto tempo quanto possível; depois, tendo terminado o leitor, o presidente instrui verbalmente, e exorta à imitação dessas coisas virtuosas. Em seguida, todos nos colocamos de pé e oramos e, conforme dissemos antes, ao terminarem as nossas orações são trazidos pão, vinho e água, e o presidente, de modo semelhante, oferece orações e ações de graças, segundo a sua capacidade, e o povo concorda dizendo amém.[7]

2.3 – A Harmonia Doutrinária

            Um livro para se canônico deveria ensinar fundamentado no que já havia sido estabelecido; ou seja, se um livro ensinasse algo contrário aquilo que os apóstolo e a sabedoria da Igreja sempre ensinou deveria se rejeitado como sendo um livro não-canônico.
            Estes são os três fundamentais critérios para a questão do Cânon do Novo Testamento, e sem eles nada podemos ensinar pregar, ou mesmo defender o evangelho.

2.4 – A Inspiração

            O que significa Inspiração? O termo é impróprio para aquilo que visa designar. Isto porque o termo não seria inspiração (soprar para dentro), mas expiração (soprar para fora); pois, foi isso que Deus fez conosco.
            O que entendemos por inspiração “como sendo a influência sobrenatural do Espírito de Deus sobre os homens separados por ele mesmo, a fim de registrarem de forma inerrante e suficiente toda vontade de Deus, constituindo esse registro na única fonte e norma de todo o conhecimento cristão” [8]
            De acordo com o Novo Testamento a doutrina da inspiração diz respeito a Deus soprar a sua revelação nas páginas das Escrituras (2 Timóteo 3.16). O leitror deve também saber que existem várias teorias a respeito da inspiração.

2.4.1 - Concepção de Inspiração Dinâmica:

            Algumas pessoas acham que a doutrina da Inspiração consiste em um ditado. Onde Deus dinamicamente falou ao escritor sagrado palavra por palavra, ponto por ponto de toda a Bíblia.
            Essa concepção ignora a existência de estilos variados nas Escrituras que negam a possibilidade de um ditado. E a Escritura é clara quanto a existência de estilos literários de cada escritor da mesmo, e, nós vemos isso na em 2 Pedro 3.13-16. Pedro reconhece que Paulo tem um estilo próprio ao escrever suas cartas.

2.4.2 - Concepção de uma Iluminação:

            Outra ideia equivocada que geralmente ouvimos é que inspiração é a mesma coisa que iluminação. Sendo apresentado a ideia de que os autores humanos das Escrituras fossem apenas homens iluminados e nada mais do que isto.

2.4.3 – A Concepção de Inspiração Plenária:

            Devemos acreditar que a inspiração das Escrituras está em toda a Bíblia, não são algumas partes que são inspiradas e outra não. O conceito de Inspiração Plenária. Desde o Gênesis até o apocalipse, tudo o que foi registrado, foi por vontade de Deus (2 Timóteo 3.16; 2 Pedro 1.20-21).[9]

2.4.4 – A Concepção da Inspiração Verbal:

            Esta concepção deve ser aceita como verdadeira, pois, entendemos que Deus falou sua palavra por meio dos autógrafos originais a sua mensagem. (2 Samuel 23.2; Jeremias 1.9; Mateus 5.18; 1 Coríntios 2.13).


3. A DOUTRINA DA CANONICIDADE E OS APÓCRIFOS

            A doutrina do Cânon inevitavelmente nos levará para a questão dos livros chamados de “Apocrifos”. O que é um livro apócrifo? Na concepção popular é um livro duvidoso. O termo vem do grego e significa “sem assinatura”, ou seja, não possui  assinatura de Deus. Também o termo pode ser entendido como “oculto”. Indicando a não identificação de sua autoria.[10]
            Por que eles são classificados nesta categoria de livros sem assinatura? A resposta pode ser apresentada em duas nagativas consistentes conforme aprendemos aqui nesta seção da Confissão de Fé “Os livros geralmente chamados Apócrifos, não sendo de inspiração divina, não fazem parte do cânon da Escritura”.

3.1 - Por não serem Inspirados não possuem Autoridade sobre A Igreja.

            Aqui nós aprendemos que somente os livros canônicos podem ter autoridade de governo e doutrina sobre a vida da Igreja, toda doutrina fundamentada em um livro não autorizado canonicamente é uma heresia. Eles não devem ser usados como livros autoritativos na vida do povo pactual de Deus.

3.2 – Devem ser empregados como Meros Livros Humanos.

            O segundo aspecto que devemos levar em consideração é o fato de que tais livros podem ser úteis pelo conhecimento que transmitem. A Confissão de Fé de Westminster diz que tais livros  “não são, portanto, de autoridade na Igreja de Deus, nem de modo algum podem ser aprovados ou empregados senão como escritos humanos. ”.
            Nós devemos ler estes livros apócrifos, estudá-los buscar compreendê-los, mas meramente como livros humanos. Paulo Anglada nos traz uma palavra positiva sobre este tema:
Alguns dos apócrifos são realmente úteis como fontes de informação a respeito de uma época importante da história do povo de Deus: o período inter-testamentário. Os protestantes reconhecem o valor histórico dele. Seguindo a prática dos primeiros cristãos, as edições modernas protestantes da Septuaginta normalmente incluem os apócrifos , e até algumas bíblias protestantes antigas os incluíam, no final, apenas como livros históricos.[11]

Conclusão:

             O cânon das Escrituras nos foi dado para ser a nossa única regra de obediência e prática; isto implica no fato de que as Escrituras conforme temos não é fruto da tradição dos homens, mas da vontade de Deus que deseja orientar-nos por meio de suas palavras registradas de forma clara e compreensível aos homens.



[1] ANGLADA, Paulo R. B. Sola Scriptura – A doutrina Reformada das Escrituras. São Paulo: Os Puritanos, 1998, p.33-34.
[2] COSTA, Herminstem Maia Pereira da. Inspiração e Inerrância das Escrituras. São Paulo: Cultura Cristã, 1998, p.18-19
[3] GEISLER, Norman L.  &  NIX,  William E. Introdução Bíblica - Como a Bíblia  chegou até nós. Tradutor: Oswaldo Ramos. São Paulo: Vida, 1997, p.7 [as cores destaques foram acrescentadas por mim]

[4] GEISLER, Norman L.  &  NIX,  William E. Introdução Bíblica - Como a Bíblia  chegou até nós. Tradutor: Oswaldo Ramos. São Paulo: Vida, 1997, p. 8
[5] ANGLADA, Paulo R. B. Sola Scriptura – A doutrina Reformada das Escrituras. São Paulo: Os Puritanos, 1998, p.35.
[6] Eusébio de Cesárea, Apud, COSTA, Herminstem Maia Pereira da. Inspiração e Inerrância das Escrituras. São Paulo: Cultura Cristã, 1998, p.39.
[7] MÁRTIR, Justino. Primeira Apologia, Cap. 67, In: Ante-nicene Fathers, p.69. [ênfase nossa]
[8] COSTA, Herminstem Maia Pereira da. Inspiração e Inerrância das Escrituras. São Paulo: Cultura Cristã, 1998, p.98.
[9] COSTA, Herminstem Maia Pereira da. Inspiração e Inerrância das Escrituras. São Paulo: Cultura Cristã, 1998, p.99.
[10] O surgimento dos livros apócrifos deve-se ao período intertestamentário, onde houve um silencio profético de 400 anos a.C, o homem na ansiedade de ouvir uma voz profética decidiu escrever obras nas quais tencionava dizer que Deus estava se revelando ao seu povo. O silêncio profético compreende de Malaquias até Mateus.
[11] ANGLADA, Paulo R. B. Sola Scriptura – A doutrina Reformada das Escrituras. São Paulo: Os Puritanos, 1998, p.41.