Pular para o conteúdo principal

SALMO 117 - UMA ABORDAGEM EXEGÉTICA

Um Breve Estudo sobre o Salmo 117.
Por João Ricardo Ferreira de França[1].
observação: Para que o leitor visualize as abordagens exegéticas deste texto é necessário a instalação das fontes gregas e hebraicas correspondentes, o leitor poderá baixá-las e instalá-las no seu Computador para isso basta clicar no link que segue:


Introdução: 

O salmo escolhido para o nosso estudo nos revela algumas verdades fundamentais para a vida da Igreja. Verdades que têm sido negligenciadas com mais clareza, tais como a evangelização, a motivação para adoração, o desinteresse pela certeza do amor de Deus e de sua fidelidade. São estas verdades que fazem com que a Igreja de Cristo cresça, e uma vez que qualquer uma delas sejam de fato negligenciadas, tais atitudes colocam a Igreja em uma situação desfavorável. Então, precisamos entender a mensagem deste salmo; entendê-lo nos termos da revelação de Deus.
 A que família pertence este salmo? Os eruditos estão  divididos. Alguns têm sugerido que este salmo deveria ser classificado como um cântico de peregrinação, todavia, isso é impossível porque lhe faltam os elementos necessários para esta classificação.
            Este salmo é perfeitamente classificado como um salmo que pertence a família dos hinos. É bom que se diga que este salmo pertence a um grupo de “nove salmos moldurados por acrósticos alfabéticos incomuns isso os incluí  nos ‘Hallels egípicios’(salmos que memoram a ação amorosa de Deus na libertação do cativeiro egípcio). Os salmos incluem a celebração da redenção contida nos Hallels  oferecerem instrução na piedade que se deve caracterizar [a vida] daqueles que se unem na celebração dos atos salvadores de Deus a favor do seu povo”[2], isso nos leva a considerar como este salmo é organizado.
            Nós temos dito que este salmo pertence a família dos hinos no saltério, mas como isso pode ser identificado neste salmo? Bem, é necessário entender que a temática deste tipo de salmo é “exaltar a grandeza e majestade de YAHWEH e, por conseguinte, da cidade onde ele (Deus) habita”[3] veja como percebemos isso:
           
No salmo escolhido deve haver: a) convite ao louvor
                                                           b) motivação – “porque”
                                                           c) novo convite ao louvor.
           
Estes são os elementos básicos e fundamentais para a compreensão adequada do texto em apreço, de posse destas informações, vejamos a estrutura deste salmo 117.



ESTRUTURA DE SEGMENTAÇÃO TEXTUAL

hw"hy>â-ta, Wlål.h;(

~yI+AG-lK'


WhWxªB.v;÷

`~yMi(auh'-lK'

LOUVAI o SENHOR          


 Nações todas
                                                 Convite e destino

Exaltai-o

 Povos todos.
ADªs.x; Wnyle’[' rb:Üg"¬ yK
 
~l'ªA[l. hw"ïhy>-tm,a/w

Porque é forte por nós seu amor,
                                                                                                 Motivação
E a fidelidade do SENHOR é para sempre.


Hy")-Wll.h
Aleluia![4]                                          Convite Final.

            Bem, vendo a estrutura já temos os pontos para a nossa pregação estabelecidos no próprio texto, qual seria o tema? Deixe-me sugerir: Quando Louvar a Deus consiste mais do que palavras ao vento.
            Vamos agora analisar o texto dentro da perspectiva exegética e teológica? O salmista escreve este texto com objetivos específicos, ele vislumbra a universalidade da chamada à adoração a Deus como um imperativo na conotação de convite.
           
I – LOUVAR A DEUS É UM CONVITE UNIVERSAL.

            O salmista começa este salmo valendo-se de um duplo paralelismo sinonímico no versículo primeiro.
Ele diz: Louvai ao SENHOR   nações todas, exaltai-o todos os povos. O verbo “Louvar” e “exaltar” no texto são sinônimos, bem como “todas as nações” como “povos todos”. O verbo “Louvar” Wlål.h (halelu) é um verbo que está no “piel” – o piel é usado no hebraico para expressar atividade causativa, este verbo está no modo imperativo – é uma ordem! O modo imperativo Descreve uma ordem ou um pedido, neste caso, aqui é um convite, visto que o piel usado neste verbo tem o sentido da atividade do adorador, ou seja, o salmista convida os seus ouvintes a louvarem ao SENHOR. É uma ordem no sentido de que Deus merece o louvor, e é um convite no sentido de que os adoradores devem empenha-se nesta tarefa.
            Não é louvar a qualquer ser que exista na terra. Os termos do salmista são bastante claros, ou seja, louvar aqui tem um objeto especifico para tal manifestação, não se deve louvar a outro ser senão ao “SENHOR”, o termo hebraico aqui é Yahweh, que quer comunicar mais que um nome. O nome de Deus evoca esta magnitude do divino. O texto que temos diante de nós informa que o Deus que é pessoal é chamado de SENHOR no texto hebraico temos “hw);:hy” (yahweh). Esse nome revela não só o próprio nome de Deus, mas aponta para o nome pactual no qual Deus tem se revelado através da história da redenção. Mas a idéia “contida no nome Yahweh insiste num... estar sob o impacto da presença, algumas vezes terrível, outras benévolas, mas sempre comovedora e eficaz, do Deus com incríveis demonstrações de poder, e assim, Ele afirma seu senhorio e garante a vitória” [5]
         Isto implica dizer que o nome pactual de Deus visa trazer à memória do povo que Ele realizou atos redentivos e singulares, como as pragas do Egito, como a abertura do mar vermelho. São atos que Deus realizou como atos memoriais do seu nome pactual.
Esse nome Yahweh não significa somente uma relação pactual, mas indica também a existência eterna de Deus.
            O convite para adoração é universal. A questão respondida pelo salmista é: “Quem deve adorar a Deus?” O salmista não pensa duas vezes antes, e desta forma ele lança o convite para “todas as nações” – este aspecto é importante para ser analisado. O Culto tem alvo Evangelístico, alvo missiológico.
            Isso nos mostra que o salmista entendeu que a adoração ao SENHOR é para o mundo inteiro. Este tema universal de adoração ou louvor se repete em vários salmos. O salmo 66.1 faz o apelo idêntico: “Louvai a Deus com brados de júbilo, todas as terras”; e ainda temos o salmo 96 que começa com a mesma tônica: “Cantai ao Senhor um cântico novo
                                                              “Cantai ao Senhor, todos os moradores da Terra.”

            É digno de nota o que diz Russell Shedd sobre o aspecto universal do convite para se adorar a Deus, ele disse: “Enquanto existir um povo ou mesmo um único homem que não reconheça que Deus é digno de receber toda a glória, o culto será incompleto”.[6] A palavra que o salmista usa para “todas as nações” ~yI+AG-lK' (kol-goym) tem haver com povos na raça; sendo que esta expressão kol-goym faz paralelo sinonímico com “todos os povos”; e,  no texto hebraico temos a palavra “`~yMi(auh'-lK'”(kol-há’umim)  que tem haver com povos tribais, ou seja, cada povo com a sua língua é convidado a louvar a YAHWEH.
            O salmista continua o seu texto nos dizendo que o convite dirigido a todos os povos é para exaltar a Deus. Já temos dito que este verbo está no imperativo “exaltai-o”, e o mesmo é um sinônimo de “Louvai ao SENHOR”. Mas o salmista usa aqui a palavra hebraica “WhWxªB.v;÷”(shabbehuhu) que tem o sentido de louvar, aclamar com grande voz, tem a idéia dominante de glorificar(digna-se ao leitor entender que o verbo vem da mesma raíz de Shabbath, será possível compreender isto como uma referência ao dia de adoração?); o salmista convoca todos os homens da terra para glorificarem a Deus de forma intensa, pois, o verbo está também no piel. Vale salientar que um verbo no piel não descreve apenas a idéia de intensidade, mas também a idéia de continuidade. Deve sempre viver glorificando a Deus.

II – MOTIVOS PELOS QUAIS DEUS DEVE SER LOUVADO.

            O salmista não pára em nos mostrar a universalidade do convite para a adoração ou para o louvor a YAWEH, mas ele nos oferece os motivos para esse convite; ele deseja nos oferecer bases fundamentais para realizar este convite aos homens.
            O salmista diz: “Porque é forte o seu amor para conosco”. A conjunção “porque” é usada, pelo salmista, de forma proposital, no hebraico temosyKiî(ki) essa conjunção  é usada para expressar propósito. Qual é a motivação para se louvar a Deus? O salmista nos diz que é o amor de Deus e a sua fidelidade! Ou misericórdia.
            O louvor não deve ter motivações humanas – não são atos humanos ou a disposição humana, mas o ato de adoração está vínculo a uma relação direta com um ato divino.
            No uso do termo hebraico “rb:Üg"¬”(Gavar)descreve a grandeza de Deus como é mostrado neste salmo de exaltação à majestade de Deus. Esta grandeza é refletida no seu caráter de fortaleza. Por isso, o termo pode ser traduzido por “forte”. Em Deus encontramos a fortaleza do amor supremo! É exatamente isso que ele diz: “Porque é forte o seu amor...” o vocábulo “amor” pode ser traduzido por “misericórdia”, ou seja, quando o hebraico emprega a palavra “ADªs.x;”(haseddo) uma relação pactual deve ser subentendida; isto deve ser vista como a plena manifestação amorosa de Deus. O amor de Deus é forte e plenamente manifestado de forma misericordiosa.
            A nossa real motivação para o culto deve ser de fato o amor de incomensurável de Deus. Sem esta visão fica-nos impossível termos uma real razão para o culto a Deus; pois, não temos o amor redentivo, libertador e grandioso de Deus como pano de fundo da adoração; em contrapartida, precisamos convocar os homens para louvar a Deus e isso deve servir base, ou seja, o amor gracioso de Deus me obriga a anunciar aos homens que ele deve ser louvado.
            O salmista não termina meramente em termos do amor de Deus. Ele deseja ratificar esse amor de forma mais clara possível. Ele sugere que este amor é refletido na realidade da “fidelidade eterna de Deus”. Não devo apenas louvar a Deus tendo como consideração unicamente o seu amor – na verdade não devo interpretar esse amor em conotações puramente românticas – pois, isso fugiria de fato ao que esse amor realmente significa; a palavra “fidelidade” tem algo a nos informar sobre o caráter de Deus e de sua ação amorosa.
            O termo hebraico “tm,a/w<”(veemeth) – e a verdade – o termo deve ser traduzidos por fidelidade porque está vinculado ao amor de Deus, ou a sua misericórdia, o salmista evoca a “fidelidade” de Deus dentro dos termos aliancistas. O pacto de Deus é administrado por sua fidelidade, Deus se mantém fiel a aliança, e por isso, deve ser objeto de louvor, objeto de adoração!O salmista diz que a verdade ou fidelidade que reside em Deus é o que de fato nos oferece a certeza de redenção, a certeza de que de fato somos amados – “É forte o seu amor por nós” – mesmo a despeito dos nossos pecados, ele se encontra verdadeiro em suas promessas e ameaças.
            A garantia que temos é que sua “fidelidade” não passageira, ou mesmo, não é temporal, ela é de fato eterna! Quando o salmista usa o termo “~l'ªA[l.”(le’olam) – para sempre – vale-se de uma preposição inseparável que é diretiva “l.”(lê)indicando o local desta “fidelidade”, no sentido de indicar onde podemos encontrá-la: “Sempre” ou “na eternidade”! O uso do substantivo aqui “~l'ªA[”(‘olam) indica a eternidade de Deus e de sua fidelidade, isto significa, que os povos devem ser convocados para adorarem a Deus não porque ele vai nos oferecer uma vida tranqüila prospera ou coisa do tipo, mas indica nada mais, nem menos que Deus tem um amor eterno para conosco – e a base disso está nesta fidelidade singular e eterna de Deus!Esta é uma grandiosa fundamentação para o louvor sincero a Deus, para o culto é a motivação essencial, ou seja, Deus é eternamente fiel em seu amor para conosco.

III – LOUVAR A DEUS É UM CONVITE INCONDICIONAL.

            A vida cristã deve estar baseada neste convite – ele é universal, mas é também incondicional, não deve ser condicionado as circunstâncias. Por mais adversas que nos parecem as circunstâncias não deveriam parar o nosso louvor a Deus.
            Isso não quer dizer que seja pecado dizer que está doendo, que está dificil. Mas significa que apesar de tudo Deus continua sendo Deus mesmo em meio ao sofrimento! A dor e o descontentamento com a vida.
            O salmista depois de nos apresentar as razões para se louvar a Deus, ou melhor, os motivos pelos quais ele deve ser louvado; ele retorna para o convinte inicial – como se dissesse: “Então venha louvar ao Senhor” uma vez que você compreende o que isso significa – estar centralizado, abalizado e edificado no amor de Deus e na sua fidelidade pactual – então, devemos dizer “Aleluia”, no texto hebraico temos “Hy")-Wll.h;(”(Halelu-yah). Note como o autor construiu esta expressão – ele valeu-se do verbo que aparece no primeiro versículo “Wlål.h”(halelu) mais o designativo que forma o nome pactual de Deus “Hy”(Yah) – em outras palavras o salmista diz que o futuro do povo está em louvor o Deus que é eterno.
            Não é algo condicionado ao homem, mas algo incondicional – todos devem louvar a Deus – este é o convite real que precisamos; a regeneração das almas visa transformá-las em mais que redimidas, visa transformá-las em adoradores verdadeiros de Deus. Este é o ponto em questão, então, a evangelização visa trazer homens para a glória de Deus! Isso deveria permear a nossa mente. Precisamos pregar o evangelho para que os homens adorem, louvem e exaltem a Deus – isso é louvar mais do que palavras ao vento! É mais do que música cantada, é viver com esse propósito. Diante disso que aplicações podemos deixar:

1.      Entenda que louvar a Deus é mais do que palavras quando você entende que este ato é um chamado universal.
2.      Que para concretizar precisa-se da evangelização de pecadores, pois, só assim todas as nações irão louvar ao Senhor.
3.      Compreenda que base para se lançar este convite é o amor e a fidelidade de Deus ao povo do pacto.


           







           








[1] O autor deste estudo é Membro da Igreja Presbiteriana do Brasil. É o fundador e  atualmente lidera a Congregação Presbiteriana da Sagrada Herança Reformada – Em prazeres – Jaboatão dos Guararapes – PE. Está bacharelando em Teologia no Seminário Presbiteriano do Norte – Recife.
[2] BOSMA, Carl J. Estrutura significante do Saltério – Instrução para a vida piedosa no Reino de Deus, aulas lecionadas no Seminário Presbiteriano Conservador, São Paulo:2004. (obra não publicada)
[3] DIAS, Cássio Murilo. Leia a Bíblia como Literatura, Edições Loyola, p.61, São Paulo: 2007
[4] Algumas versões traduzem por Louvai ao SENHOR. Como faz a Corrigida Fiel.
[5] Walther Eichrodt, Teologia do Antigo Testamento, São Paulo: Hagnos, 2006,p.165.
[6] SHEDD, Russel P. Adoração Bíblica ,São Paulo: Vida Nova,1987,p.113.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TEOLOGIA BÍBLICA 01 - A HISTÓRIA DA TEOLOGIA BÍBLICA

Adquira o módulo do curso por um valor de R$ 60,00
BOTÃO AO LADO DO PAGUE SEGURO.

NOSSA INIMIGA, A ESCOLA DO ESTADO

NOSSA INIMIGA, A ESCOLA DO ESTADO* John Cobin, Ph.D. Não conhecer o nosso inimigo é algo precário, para dizer o mínimo. Achamo-nos em grave perigo quando nosso inimigo se encontra estabelecido de forma incógnita em nosso meio. Nosso inimigo usa, de forma efetiva, artifícios para se disfarçar como algo inofensivo ou mesmo benigno em um dado momento no tempo. Contudo, o terrível pesadelo social que é gerado é algo que se pode avaliar a longo prazo. Porque teríamos que esperar logo menos sagaz das forças que conduzem a escravidão? Qual instituição brasileira, acima das demais, que tem feito muito para minar a liberdade e moralidade em nossa sociedade? Alguém poderia pensar nos grupos de ativistas gay, os meios de comunicações mais influentes, os grupos feministas de ação, a indústria da pornografia, ou inclusive a própria Receita Federal ou o Banco Central com sua taxa de juros. No entanto, apesar de mau que são essas instituições, não há instituição que por si mesma tenha produzido tant…

ATOS DOS APÓSTOLOS - Questões Introdutórias ao Livro.

Módulo I – O Pano de Fundo  de Atos dos Apóstolos Aula 01 – Questões Introdutórias ao Livro.
ATOS DOS APÓSTOLOS Rev. João França
INTRODUÇÃO:
            O livro de Atos dos Apóstolos narra os primeiros trinta anos após a ascensão de Jesus ao Pai. Um livro riquíssimo no qual devemos mergulhar para o entendermos.  Este é um capítulo inspirador da História da Igreja. Na verdade, o Livro que nos propomos estudar neste curso é a primeira história eclesiástica neotestamentária[1].             Este livro trata de modo particular como viveu a Igreja logo após a entronização[2] de Cristo! O título atribuído ao livro já suscitou na vida da igreja algum certo debate, os que preferem o título conforme se encontra em nossas bíblias “PRAXEIS APOSTOLWN” (Praxeis Apostolon) ou “Práticas dos Apóstolos” tem um apoio na Igreja Primitiva[3], outros tem sugerido que o título do livro é infeliz e que por isso deveria chamar-se Atos do Espírito Santo.[4]Mas, certamente falta evidências suficientes para isto…