Pular para o conteúdo principal

OS OFICIANTES DO CULTO.

OS OFICIANTES DO CULTO.

Pr. João Ricardo Ferreira de França.

            Jacque J. Von Allmen  traz uma abordagem muito interessante sobre este tópico, ele coloca-nos frente a uma discussão sobre os oficiantes litúrgicos, apresentando 4 personagens desta ação litúrgica: Deus, os fiéis, os anjos e o mundo.[1] Por questões de brevidade, cumprindo a finalidade deste trabalho, abordaremos apenas a relação de dois oficiantes litúrgicos.

1 – Deus.

            Muitas vezes negligenciamos o conceito revelacional de que Deus é quem ordena a adoração; isto é assegurando na Confissão de Fé de Westminster quando declara: “[...]Da parte dos anjos e dos homens e de qualquer outra criatura lhe são devidos todo o culto, todo o serviço e obediência, que ele há por bem requerer deles.”(CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER, CAPÍTULO 2, SEÇÃO 2).
            O culto é teocêntrico porque ele centraliza em Deus e é para Deus. Devemos nos lembrar que é a “ordem de Deus que transforma o ato de culto em algo mais do que mero desejo ou anseio. É a sua presença que faz dele algo mais do que simples ilusão. É a sua presença que o redime do perigo da vaidade.”[2]
            O culto é aquilo que Deus requer, que Deus exige em sua Palavra para que ele nutra os seus filhos no seio da igreja. Então, toda adoração, todo louvor devem ser teocêntricos voltados para o ser de Deus. Devemos nos lembrar que o Deus Trino está presente na liturgia da igreja, e é a ele que estamos adorando sempre. Textos bíblicos 1ª Coríntios 12.4-7 apresenta-nos o Deus trino agindo liturgicamente na igreja concedendo os dons necessários à igreja para realização de sua vida litúrgica. O culto cristão é o que é por causa de Deus e não dos homens, é a celebração pactual que Deus reclama de seu povo.

2 – Os Fiéis.


            Para os membros que foram batizados o culto constitui um privilégio e um dever singular. Isto porque eles vivem na nova  realidade, pois, no batismo foram declarados ausentes do mundo e dedicados para Deus. Então, todos aqueles que receberam a insígnia do batismo cristão devem participar do culto. Devem ser oficiantes da ação litúrgica. A Palavra de Deus é muito clara sobre isso ao nos ensinar:
“E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos. Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum.” (Atos 2.42-44 ARA).
            Todavia, dentro do principio litúrgico deve-se considerar que existem representantes pactuais. Aqueles que presidem as liturgias devem conduzir o povo a louvar a Deus, Paulo mensura no Novo Testamento esta vocação: “ou o que exorta faça-o com dedicação; o que contribui, com liberalidade; o que preside, com diligência; quem exerce misericórdia, com alegria.” (Romanos 12.8 ARA). Em termos de oficiante de culto deve haver o presidente (προϊστάμενος) – proistamenos – que conduz o povo à adoração a Deus.
            Os presbíteros [docentes e regentes] são oficiantes litúrgicos Paulo exorta a igreja de Tessalonicenses a terem e alta conta estes oficiantes de culto: “Agora, vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós e os que vos presidem no Senhor e vos admoestam;” (1ª Tessalonicenses 5.12 ARA).
            Os membros da comunidade também participam da liturgia.
O ministério litúrgico dos fiéis compõe-se normalmente dos seguintes elementos (que podem ser ampliados em maior ou menor grau): o ouvir respeitoso da Palavra de Deus, a comunhão eucarística, o associar-se às orações por intermédio do amém, a recitação da confissão de fé, a apresentação das oferendas, o canto dos hinos e a participação no que chamamos de manifestações litúrgicas da vida comunitária (Antífonas, sursum corda, saudação, confiteor (o clero, aliás, participa também dessa ‘liturgia’ em que o povo de Deus como um todo se manifesta como povo sacerdotal)[3]

            Os oficiantes litúrgicos  se encontram no dia do Senhor de forma singular. Deus e os fiéis estão presentes no culto; os últimos vão à ação litúrgica para ouvir, cantar e prestar louvores a Deus; o senhor nosso Deus se faz presente como galardoador dos que o buscam na adoração.



[1] ALLMEN, J.J. Von. O Culto Cristão Teologia e Prática. Tradução: Dírson Glênio Vergara dos Santos. São Paulo: ASTE, 2006, p. 183-211
[2] Idem, p.183.
[3] Idem, p.192-193.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O PROFETA JOEL

JOEL
Pr. João Ricardo Ferreira de França* I – QUESTÕES INTRODUTÓRIAS1 - O Nome do Autor: O nome deste profeta na língua original é “יוֹאֵ֖ל(yoe’l)” cujo sentido é “eu sou Deus”[1] ou “Yahweh é Deus” temos poucas informações sobre ele. Somos informados que  o nome  de seu pai é “פְּתוּאֵֽל (pethuel)” nome que tem o sentido de “persuadido por Deus”[2] (Joel 1.1). Ele morou e profetizou para Judá (Reino do Sul). Alguns comentaristas sugerem que ele tenha sido sacerdote ou que tinha “um vínculo oficial com o templo”[3]Isto porque no seu livro há muitas referências ao “ofício Sacerdotal”[4] 2 - Data do Livro:             O erudito Judeu Ibn Ezra “considerava impossível saber quando foi escrita esta obra”[5] Calvino é de opinião similar ao declarar que “o tempo no qual ele [Joel] profetizou é incerto”[6] outro escritor informa que “as datas propostas para o ministério de Joel e para a redação de seu livro variam desde o início do nono século a.C.”[7] As datas para a escrita do livro variam de 83…

A HERMENÊUTICA DA REFORMA

CENTRO DE ESTUDOS PRESBITERIANO www.centrodeestudospresbiteriano.blogspot.com.br . A HERMENÊUTICA DA REFORMA. Prof. Rev. João França* Introdução: No estudo anterior estivemos avaliando a história dos primórdios da interpretação das Escrituras. Vimos como o Antigo Testamento foi interpretado e também observamos os primórdios da interpretação cristã do Novo Testamento até os primeiros pais da igreja. Neste estudo iremos continuar a nossa jornada interpretativa em três importantes períodos da história da interpretação: A Idade Média; o período da Reforma Protestante e por fim, avaliaremos a interpretação atual. I – A INTERPRETAÇÃO BÍBLICA NA IDADE MÉDIA. Consideremos agora o período da Idade Média no que respeita a tarefa da interpretação bíblica. Kaiser lembra-nos que neste período “muitos membros do clero, sem falar nos leigos, eram ignorantes até mesmo sobre o que a Bíblia dizia”.[1] Neste tempo “A interpretação foi amarrada pela tradição, e o que se destacava era o método alegórico.”[2] A …

A INTERPRETAÇÃO DO APOCALIPSE

A INTERPRETAÇÃO DO APOCALIPSE Rev. David Chilton Tradução: Rev. João Ricardo Ferreira de França.
            Logo de inicio, enfrentamos dois problemas quando tentamos estudar o Apocalipse. O primeiro é a questão de estarmos seguros de que a nossa interpretação é correta – colocando limites em nossa imaginação para não forçar a Santa Palavra de Deus a entrar em molde de nossa própria invenção. Devemos permitir que o livro de Apocalipse diga o que Deus pretendeu  dizer. O segundo problema é a questão da ética – que fazer com o que temos aprendido. O modelo bíblico de interpretação.             No próprio versículo primeiro de Apocalipse, João nos proporciona uma importante chave interpretativa: “Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer e que ele, enviando por intermédio do seu anjo, notificou ao seu servo João,” (Apocalipse 1.1 ARA). O uso do termo “Notificou [declarou]” nos fala que a profecia não deve ser considerada s…