Pular para o conteúdo principal

BREVE ENSAIO EXEGÉTICO NO NOVO TESTAMENTO: UM ESTUDO DE CASO EM 1ª João 2.12-14

BREVE ENSAIO EXEGÉTICO NO NOVO TESTAMENTO: UM ESTUDO DE CASO EM 1ª João 2.12-14
Rev. João Ricardo Ferreira de França*
Filhinhos, eu vos escrevo, porque os vossos pecados são perdoados, por causa do seu nome.
 13 Pais, eu vos escrevo, porque conheceis aquele que existe desde o princípio. Jovens, eu vos escrevo, porque tendes vencido o Maligno.
 14 Filhinhos, eu vos escrevi, porque conheceis o Pai. Pais, eu vos escrevi, porque conheceis aquele que existe desde o princípio. Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes, e a palavra de Deus permanece em vós, e tendes vencido o Maligno.
 Introdução:
            Sabemos que o apóstolo João escreve as suas cartas com a finalidade de rebater o gnosticismo incipiente promovido pelos falsos mestres[1] nas comunidades cristãs as quais ele escreve as suas cartas. No trecho de abertura desta cara (1.1-4) o autor procura mostrar, em termos gerais, que tenciona ressaltar a temática da encarnação do verbo.[2]
            Vale salientar que carta é marcada por dois objetivos específicos que precisam ser considerados antes de qualquer análise exegética: “O conteúdo desse escrito tem dois objetivos: o combate a heresias cristãs (2.18-27; 4.1-6) e a confirmação dos cristãos aos quais ele se dirige na verdadeira fé e na verdadeira vivência em face da ameaça pela heresia.”[3] Certamente este segundo objetivo permeia o bloco que será alvo de nossa análise exegética.
VS. 12:                                                
Γράφω ὑμῖν, τεκνία, ὅτι ἀφέωνται ὑμῖν αἱ ἁμαρτίαι διὰ τὸ ὄνομα αὐτοῦ.” – o verbo escrever aqui no nosso texto “Γράφω” aponta provavelmente para o documento em curso de sua escrita, o tempo presente usado no verbo parece reforçar essa ideia.
O vocábulo “τεκνία” indica crianças pequenas, aqui o sentido é figurado, e ainda inclui todas as classes de pessoas. John Stott sugere que o apóstolo esteja se referindo a três classes de pessoas “filhinhos, jovens e pais”[4] Stott parece ignorar que no primeiro verso João usa o mesmo termo e o sentido é a todos os crentes, pois, não se refere apenas aos novos convertidos, mas todos os crentes em Cristo.
Calvino indica que este termo grego abarca “uma declaração geral, para que ele não aborda apenas os de tenra idade , mas por crianças pequenas , ele quer dizer homens de todas as idades , como no primeiro verso , e também como nos versos posteriores.” Calvino assegura que diz isso porque as pessoas tomam a palavra Teknia como uma referência as crianças, quando a palavra seria παιδία, mas aqui o apóstolo usa o apalavra τεκνία para se referir tanto a jovens como a idosos, pois, ele se coloca como pai espiritual da igreja.[5]
João informa que escreve estas palavras “porque os vossos pecados estão perdoados”. O uso da conjunção “ὅτι ” aponta para o que ocasionou a escrita de tas palavras. A certeza do perdão dos pecados. O verbo “perdoar” conforme aparece aqui no texto “ἀφέωνται o uso do tempo perfeito indica uma ação contínua[6], vale ressaltar que o tempo perfeito “não é usado para indicar uma ação passada, mas o estado presente e resultante da ação passada”[7].
O Apóstolo escreve porque esses crentes foram perdoados no passado e continuam sendo perdoados, a implicação de uma ação passada, mas com resultados permanentes[8]. Ao que parece João deseja assegurar aos crentes a certeza de sua redenção apontando para a plena certeza do perdão dos pecados obtidos por Cristo na cruz do calvário.
O apóstolo continua agora nos apresentando a causa material para a certeza deste perdão dos pecados: “por causa do seu nome. (1Jo 2:12 ARA)”. A nossa versão traduzir a preposição “διὰ” com o sentido de “por causa de”. Na versão Corrigida o texto foi traduzido como segue: “Filhinhos, escrevo-vos porque, pelo seu nome, vos são perdoados os pecados”.( 1Jo 2.12 ARC) a explicação para esta distinção está na gramática grega. A preposição quando está governando um substantivo no caso genitivo ela terá o sentido “através de” e quando a mesma governa um substantivo no caso acusativo terá o sentido de “por causa de” – o substantivo “ὄνομα” está no caso acusativo. Então, por causa do nome de Cristo e seu sacrifício no calvário aqueles irmãos tem o segurança do perdão dos pecados.
Vs: 13 – “γράφω ὑμῖν, πατέρες, ὅτι ἐγνώκατε τὸν ἀπ᾽ ἀρχῆς. γράφω ὑμῖν, νεανίσκοι, ὅτι νενικήκατε τὸν πονηρόν.
            João se dirige aos pais que no verso anterior estavam incluídos na categoria de “filhinhos”, ele diz: “Pais, eu vos escrevo, porque conheceis aquele que existe desde o princípio. Jovens, eu vos escrevo, porque tendes vencido o Maligno.  (1Jo 2:13 ARA)”. É necessário entender que João escreve deste modo para individualizar as idades presentes na igreja, ou como alguém já disse que o apóstolo passa a  “enumerar diferentes idades , para que pudesse mostrar que o que ele ensinou era adequado para cada um deles.”[9] Ou seja, João sai do campo geral e vai para o particular, se dirige aos pais com a finalidade de relembrar-lhe que eles conhecem aquele que existe pelo séculos dos séculos.
O verbo conhecer aqui “ἐγνώκατε está no tempo verbal que aponta para a continuidade dos resultados do conhecimento obtido sobre o verbo eterno. Os jovens são descritos como vitoriosos. Na verdade o que João tem dito é que o eles tem dominado o maligno, pois, no grego o verbo “νενικήκατε” tem o sentido de conquistar e não de meramente vencer, a ideia é que eles têm avançado sobre o maligno (πονηρόν). Parece-nos que a perspectiva de João é bem otimista!
Vs. 14:
ἔγραψα ὑμῖν, παιδία, ὅτι ἐγνώκατε τὸν πατέρα. ἔγραψα ὑμῖν, πατέρες, ὅτι ἐγνώκατε τὸν ἀπ᾽ ἀρχῆς. ἔγραψα ὑμῖν, νεανίσκοι, ὅτι ἰσχυροί ἐστε καὶ ὁ λόγος τοῦ θεοῦ ἐν ὑμῖν μένει καὶ νενικήκατε τὸν πονηρόν.
            Neste verso João começa com um aoristo epistolar “ἔγραψα” focalizando na mensagem da presente carta, e novamente se dirige aos filhos e usa a palavra “παιδία” que possuem alguma noção do que está sendo dito, de modo particular, ele diz que os mesmos conhecem “ἐγνώκατε” ao pai “πατέρες”.
            Qual é a razão de João escrever a eles? Porque eles são fortes (ἰσχυροί ἐστε), e a palavra de Deus permanece neles. A expressão “palavra de Deus ” [ὁ λόγος τοῦ θεου] revela-nos que o verbo de Deus é suficiente para garantir a fortaleza espiritual que os jovens precisam. Eles têm a certeza do perdão dos pecados em Cristo e plena fortaleza na fé por causa da Palavra de Deus que habita neles. E como esta palavra permanece a implicação é que eles têm como vencer o maligno.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
1.      CALVINO, John. Commentaries on the Catholic Epistles, Grand Rapids, MI: Christian Classics Ethereal Library.
2.      CARSON, D.A.; MOO, Douglas. MORRIS, Leon. Introdução ao Novo Testamento. São Paulo: Edições Vida Nova, 1997.
3.      CHAMBERLAIN, William Douglas. Gramática Exegética do Grego Neo-Testamentário. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 1989.
4.      KISTEMAER, Simon. Tiago e Epístolas de João – São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2006.
5.      MARSHALL, I.HOWARD. Teologia do Novo Testamento – Diversos Testemunhos, Um só Evangelho. São Paulo: Edições Vida Nova, 2007.
6.      STOTT, John R. W. I, II e III João – Introdução e Comentário. São Paulo: Edições Vida Nova, 1982.
7.      VIELHAUER, Phlipp. História da Literatura Cristã Primitiva – Introdução ao Novo Testamento aos Apócrifos e aos Pais Apostólicos. Santo André, SP: Editora Academia Cristã, 2005.
8.      WALLACE, Daniel B. Gramática Grega – Uma Sintaxe Exegética do Novo Testamento. São Paulo: Editora Batista Regular do Brasil, 2009.







* O autor é Ministro da Palavra pela Igreja Presbiteriana do brasil. Formou-se em Teologia no Seminário Presbiteriano do Norte (SPN) Recife – PE. Foi professor de línguas bíblicas (Grego e Hebraico) no Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil (SPFB) – Recife – PE. Atualmente é pastor na Igreja Presbiteriana de Piripiri – PI.
[1] CARSON, D.A.; MOO, Douglas.; MORRIS, Leon. Introdução ao Novo Testamento. São Paulo: Edições Vida Nova, 1997, p.501.
[2] MARSHALL, I.HOWARD. Teologia do Novo Testamento – Diversos Testemunhos, Um só Evangelho. São Paulo: Edições Vida Nova, 2007, p.460.
[3] VIELHAUER, Phlipp. História da Literatura Cristã Primitiva – Introdução ao Novo Testamento aos Apócrifos e aos Pais Apostólicos. Santo André, SP: Editora Academia Cristã, 2005, p. 489.
[4] STOTT, John R. W. I, II e III João – Introdução e Comentário. São Paulo: Edições Vida Nova, 1982, p.83.  Simon Kistemaker partilha da mesma ideia de Stott Cf. KISTEMAER, Simon. Tiago e Epístolas de João – São Paulo: Editora Cultura Cristã, p. 352-358.
[5] CALVINO, John. Commentaries on the Catholic Epistles , Grand Rapids, MI: Christian Classics Ethereal Library,p. 159
[6] STOTT, John R. W. I, II e III João – Introdução e Comentário. São Paulo: Edições Vida Nova, 1982, p.84.
[7] WALLACE, Daniel B. Gramática Grega – Uma Sintaxe Exegética do Novo Testamento. São Paulo: Editora Batista Regular do Brasil, 2009, p. 573.
[8] CHAMBERLAIN, William Douglas. Gramática Exegética do Grego Neo-Testamentário. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 1989, p.98.
[9] CALVINO, John. Commentaries on the Catholic Epistles , Grand Rapids, MI: Christian Classics Ethereal Library,p. 160.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O PROFETA JOEL

JOEL
Pr. João Ricardo Ferreira de França* I – QUESTÕES INTRODUTÓRIAS1 - O Nome do Autor: O nome deste profeta na língua original é “יוֹאֵ֖ל(yoe’l)” cujo sentido é “eu sou Deus”[1] ou “Yahweh é Deus” temos poucas informações sobre ele. Somos informados que  o nome  de seu pai é “פְּתוּאֵֽל (pethuel)” nome que tem o sentido de “persuadido por Deus”[2] (Joel 1.1). Ele morou e profetizou para Judá (Reino do Sul). Alguns comentaristas sugerem que ele tenha sido sacerdote ou que tinha “um vínculo oficial com o templo”[3]Isto porque no seu livro há muitas referências ao “ofício Sacerdotal”[4] 2 - Data do Livro:             O erudito Judeu Ibn Ezra “considerava impossível saber quando foi escrita esta obra”[5] Calvino é de opinião similar ao declarar que “o tempo no qual ele [Joel] profetizou é incerto”[6] outro escritor informa que “as datas propostas para o ministério de Joel e para a redação de seu livro variam desde o início do nono século a.C.”[7] As datas para a escrita do livro variam de 83…

História da Teologia Bíblica do Antigo Testamento (I)

CENTRO DE ESTUDOS PRESBITERIANO CURSO DE TEOLOGIA BÍBLICA. AULA 01: História da Teologia Bíblica do Antigo Testamento (I) Prof.  Rev. João Ricardo Ferreira de França
INTRODUÇÃO:
            A Teologia Bíblica é uma disciplina que hoje tem gozado de uma certa dose de descobrimento nos centros acadêmicos, temos visto o surgimento de novos teólogos bíblicos na atualidade; o nosso curso aqui vai se concentrar em compreender esta disciplina e sua atualidade na vida da igreja de hoje. I – DEFINIÇÃO DE TEOLOGIA BÍBLICA:
Podemos definir esta disciplina como “aquele ramo da teologia exegética que lida com o processo da autorevelação de Deus registrada na Bíblia.”[1] . Outro erudito nos apresenta uma visão basilar sobre a Teologia Bíblica: A teologia bíblica é basicamente uma disciplina descritiva .[2].
Outro escritor, sendo mais positivo, nos diz que
A Teologia Bíblica define-se basicamente a partir de sua distinção em relação à Teologia Sistemática e à História das Religiões. A proposta fundamen…

A HERMENÊUTICA DA REFORMA

CENTRO DE ESTUDOS PRESBITERIANO www.centrodeestudospresbiteriano.blogspot.com.br . A HERMENÊUTICA DA REFORMA. Prof. Rev. João França* Introdução: No estudo anterior estivemos avaliando a história dos primórdios da interpretação das Escrituras. Vimos como o Antigo Testamento foi interpretado e também observamos os primórdios da interpretação cristã do Novo Testamento até os primeiros pais da igreja. Neste estudo iremos continuar a nossa jornada interpretativa em três importantes períodos da história da interpretação: A Idade Média; o período da Reforma Protestante e por fim, avaliaremos a interpretação atual. I – A INTERPRETAÇÃO BÍBLICA NA IDADE MÉDIA. Consideremos agora o período da Idade Média no que respeita a tarefa da interpretação bíblica. Kaiser lembra-nos que neste período “muitos membros do clero, sem falar nos leigos, eram ignorantes até mesmo sobre o que a Bíblia dizia”.[1] Neste tempo “A interpretação foi amarrada pela tradição, e o que se destacava era o método alegórico.”[2] A …