Pular para o conteúdo principal

NOSSA INIMIGA, A ESCOLA DO ESTADO

NOSSA INIMIGA, A ESCOLA DO ESTADO*
John Cobin, Ph.D.
Não conhecer o nosso inimigo é algo precário, para dizer o mínimo. Achamo-nos em grave perigo quando nosso inimigo se encontra estabelecido de forma incógnita em nosso meio. Nosso inimigo usa, de forma efetiva, artifícios para se disfarçar como algo inofensivo ou mesmo benigno em um dado momento no tempo. Contudo, o terrível pesadelo social que é gerado é algo que se pode avaliar a longo prazo. Porque teríamos que esperar logo menos sagaz das forças que conduzem a escravidão?
Qual instituição brasileira, acima das demais, que tem feito muito para minar a liberdade e moralidade em nossa sociedade? Alguém poderia pensar nos grupos de ativistas gay, os meios de comunicações mais influentes, os grupos feministas de ação, a indústria da pornografia, ou inclusive a própria Receita Federal ou o Banco Central com sua taxa de juros. No entanto, apesar de mau que são essas instituições, não há instituição que por si mesma tenha produzido tanto dano generalizado e de larga duração para a sociedade brasileira como a escola do estado. Tokugawa Ieyasu (1526-1549) do Japão disse uma vez, “para chegar a conhecer o teu inimigo, primeiro deves tornar-te seu amigo, e uma vez que tenhas chegado a ser seu amigo, todas as suas defesas caem. Em seguida podes escolher o método mais adequado para realizar o seu desejo”. E este é precisamente o meio pelo qual nosso inimigo tem uma mão de ferro sobre nossa sociedade – bem em baixo de nossos narizes. Por outro lado, o estrategista militar e filósofo Chino Sun-Tzu (500 a.C) disse, “se conheces teu inimigo e te e conheces a ti mesmo, não precisas temer o resultado de cem batalhas”(A Arte da Guerra). Tomemos o seu conselho e nos demos a tarefa de conhecer o nosso inimigo, a escola do estado.
Desde seu inicio, o projeto da escola estatal tem utilizado extraordinárias táticas de subterfúgios para tratar de ocultar sua verdadeira agenda. Sob a aparência de prover uma educação tradicional as crianças são condicionadas a aceitar ideias erradas. O gasto com educação “pública” tem alcançado níveis record, porém os resultados acadêmicos em áreas como a leitura, a escrita e a aritmética (matemática) são péssimos. Mas, tem fracassado a escola do governo? Como tem apontado com profundidade meu companheiro colunista do Times Examiner Ben Braydon em duas colunas recentes a escola do estado tem sido, de fato, incrivelmente bem-sucedida. O ponto da “educação pública” não é meramente dar-lhes aos estudantes as ferramentas e o conhecimento básico que realmente necessitam para ter sucesso na vida. É doutrinar as crianças nos caminhos que se opõe a Deus e a liberdade. E quanto a este fim tem sido maravilhosamente bem-sucedida. Como apontou o Dr. Steven Yates em sua coluna desta semana do Times Examiner, o objetivo principal de uma escola do governo é doutrinar as crianças com princípios estadistas. Contrário a visão dos Fundadores Americanos, os estudantes aprendem que o estado em seu caráter  de estado tem de ser reverenciado e apreciado. Devem aprender a lutar por ele e a respeitar e defender seu nobre fundamento. Os estudantes também são inundados com princípios do Darwianismo, estilos “alternativos” de vida, duvidosas ideologias ambientalistas, socialismo e humanismo secular. Biblicamente falando o Dr. Yates está correto ao dizer que os pais têm que possuir o domínio sobre a educação de seus filhos – não o estado – e que os pais pecam ao submeter seus filhos à educação “pública”. Da mesma forma, nas últimas duas colunas no Times Examiner, Alan Melton opina que alguns pais enviam seus filhos à escola pública com o propósito de que “socializem”. Porém, esta atividade tem sido um fracasso abismal ao extremo de que uns 85% das crianças que estudam na escola pública e que provem de famílias cristãs terminam abandonando a fé. (Além de televisão e filmes, onde mais obter mais ideias ruins para seus filhos?) Na verdade, que grande tragédia! E não é nada menos pecaminoso que está envolvido na escola pública.
Os inimigos da liberdade têm imposto espalhando e disseminando seu programa escolar governamental. Ainda que muitas famílias cristãs têm sido afligidas por ela, muita gente ainda (de maneira surpreendente) não vê a escola pública como uma amaça. Em vez disso, e vista como um campo “missionário”, um lugar seguro para conseguir emprego, útil para a socialização das crianças, e uma alternativa acessível de educação (incluindo vantagens adicionais como equipes de esportes). O apóstolo Paulo encarrega aos cristãos a tarefa de “derrubar argumento e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus” (2ª Coríntios 10.5). De modo que, é apropriado que os Cristãos devam estar derrubando a escola do estado. Contudo, continuam apoiando-a. Satanás está atacando a Igreja e a liberdade em geral, porém, muitos cristãos ignoram qual é seu inimigo ou onde ele se encontra. Cristo advertiu que “mas, enquanto dormiam os homens, veio seu inimigo e semeou o joio entre o trigo, e se foi” (Mateus 13.25). Assim acontece com o mal da escola do estado, que tem semeado justamente embaixo de nossos narizes, e que agora floresce junto conosco. Que fúnebres são as possiblidades para a liberdade quando os cristãos defendem a escola pública cujo caminho é tão claramente instável! Trabalham para sua própria predição sem dar-se conta disto. De fato, pode ser que alguns nem sequer tenham se dado conta onde se tem sido travada a verdadeira batalha até o Dia do Juízo e o programa da escola estatal encontre seu lugar de descanso final no lago de fogo.
É triste que aqueles que dizem a verdade acerca da natureza e as consequências do sistema escolar do governo (os “críticos”) geralmente chegam a se tornar leviano nos círculos evangélicos. São proibidos de serem personalidade de rádio ou apenas são confinados ao ostracismo pelos seus amigos como “extremistas”, causa-se dano à igreja e a causa da liberdade quando tais campeões da verdade são silenciados ou desprezados, que vergonha! O povo de Deus rejeitando os mensageiros que lhes são enviados é um tema recorrente na história. Que Deus nos ajude a conhecer nosso inimigo!
Copyright © Maio - 2016
3



* Tradutor: Rev. João Ricardo Ferreira de França. Ministro da Palavra e dos Sacramentos na Igreja Presbiteriana do Brasil. Atualmente é pastor na Igreja Presbiteriana de Riachão do Jacuípe – BA. Leia o artigo original:  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O PROFETA JOEL

JOEL
Pr. João Ricardo Ferreira de França* I – QUESTÕES INTRODUTÓRIAS1 - O Nome do Autor: O nome deste profeta na língua original é “יוֹאֵ֖ל(yoe’l)” cujo sentido é “eu sou Deus”[1] ou “Yahweh é Deus” temos poucas informações sobre ele. Somos informados que  o nome  de seu pai é “פְּתוּאֵֽל (pethuel)” nome que tem o sentido de “persuadido por Deus”[2] (Joel 1.1). Ele morou e profetizou para Judá (Reino do Sul). Alguns comentaristas sugerem que ele tenha sido sacerdote ou que tinha “um vínculo oficial com o templo”[3]Isto porque no seu livro há muitas referências ao “ofício Sacerdotal”[4] 2 - Data do Livro:             O erudito Judeu Ibn Ezra “considerava impossível saber quando foi escrita esta obra”[5] Calvino é de opinião similar ao declarar que “o tempo no qual ele [Joel] profetizou é incerto”[6] outro escritor informa que “as datas propostas para o ministério de Joel e para a redação de seu livro variam desde o início do nono século a.C.”[7] As datas para a escrita do livro variam de 83…

História da Teologia Bíblica do Antigo Testamento (I)

CENTRO DE ESTUDOS PRESBITERIANO CURSO DE TEOLOGIA BÍBLICA. AULA 01: História da Teologia Bíblica do Antigo Testamento (I) Prof.  Rev. João Ricardo Ferreira de França
INTRODUÇÃO:
            A Teologia Bíblica é uma disciplina que hoje tem gozado de uma certa dose de descobrimento nos centros acadêmicos, temos visto o surgimento de novos teólogos bíblicos na atualidade; o nosso curso aqui vai se concentrar em compreender esta disciplina e sua atualidade na vida da igreja de hoje. I – DEFINIÇÃO DE TEOLOGIA BÍBLICA:
Podemos definir esta disciplina como “aquele ramo da teologia exegética que lida com o processo da autorevelação de Deus registrada na Bíblia.”[1] . Outro erudito nos apresenta uma visão basilar sobre a Teologia Bíblica: A teologia bíblica é basicamente uma disciplina descritiva .[2].
Outro escritor, sendo mais positivo, nos diz que
A Teologia Bíblica define-se basicamente a partir de sua distinção em relação à Teologia Sistemática e à História das Religiões. A proposta fundamen…

A HERMENÊUTICA DA REFORMA

CENTRO DE ESTUDOS PRESBITERIANO www.centrodeestudospresbiteriano.blogspot.com.br . A HERMENÊUTICA DA REFORMA. Prof. Rev. João França* Introdução: No estudo anterior estivemos avaliando a história dos primórdios da interpretação das Escrituras. Vimos como o Antigo Testamento foi interpretado e também observamos os primórdios da interpretação cristã do Novo Testamento até os primeiros pais da igreja. Neste estudo iremos continuar a nossa jornada interpretativa em três importantes períodos da história da interpretação: A Idade Média; o período da Reforma Protestante e por fim, avaliaremos a interpretação atual. I – A INTERPRETAÇÃO BÍBLICA NA IDADE MÉDIA. Consideremos agora o período da Idade Média no que respeita a tarefa da interpretação bíblica. Kaiser lembra-nos que neste período “muitos membros do clero, sem falar nos leigos, eram ignorantes até mesmo sobre o que a Bíblia dizia”.[1] Neste tempo “A interpretação foi amarrada pela tradição, e o que se destacava era o método alegórico.”[2] A …