quinta-feira, 11 de outubro de 2012

I - A GRANDEZA DAS ESCRITURAS - PRIMEIRA PARTE


ESTUDOS NA CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER
DA SAGRADA ESCRITURA CAP. I
Prof. Rev. João Ricardo Ferreira de França.
I - TEOLOGIA DA REVELAÇÃO
SEÇÃO I
I. Ainda que a luz da natureza e as obras da criação e da providência de tal modo manifestem a bondade, a sabedoria e o poder de Deus, que os homens ficam inescusáveis, contudo não são suficientes para dar aquele conhecimento de Deus e da sua vontade necessário para a salvação; por isso foi o Senhor servido, em diversos tempos e diferentes modos, revelar-se e declarar à sua Igreja aquela sua vontade; e depois, para melhor preservação e propagação da verdade, para o mais seguro estabelecimento e conforto da Igreja contra a corrupção da carne e malícia de Satanás e do mundo, foi igualmente servido fazê-la escrever toda. Isto torna indispensável a Escritura Sagrada, tendo cessado aqueles antigos modos de revelar Deus a sua vontade ao seu povo.
Ref. - Sal. 19: 1-4; Rom. 1: 32, e 2: 1, e 1: 19-20, e 2: 14-15; I Cor. 1:21, e 2:13-14; Heb. 1:1-2; Luc. 1:3-4; Rom. 15:4; Mat. 4:4, 7, 10; Isa. 8: 20; I Tim. 3: I5; II Pedro 1: 19.
            Estamos diante de uma grande declaração de fé. Chama-nos a atenção o fato de que a Confissão de Fé de Westminster não comece sua declaração doutrina com o estudo do ser de Deus. Por quê? Qual a razão dos teólogos puritanos não iniciarem sua confessionalidade com o ser de Deus? As teologias sistemáticas de nossos dias começam com esta noção em primeiro plano, mas a nossa Confissão de Fé não segue este caminho.
            A resposta para esta posição está no fato de que nós não podemos conhecer a Deus sem que primeiro ele se revele a nós. É de fundamental importância reconhecermos que o estudo da Teologia não é em primeiro plano o estudo do ser de Deus, mas o estudo de sua revelação, ou como coloca-nos Gordon Clarck: “A Escritura fala-nos de Deus; por isso, deveríamos estudá-la[1] Esta é a razão principal pela qual devemos sempre estudar a Bíblia.
            A Bíblia em sua totalidade fala-nos de um ser Soberano governador de todas as coisas isso é pressuposto por todos aqueles que acr1editam ser a Bíblia uma fonte confiável da verdade.  O que podemos aprender desta primeira seção da Confissão de Fé de Westminster?

1 – A REVELAÇÃO GERAL.
            A primeira questão a ser entendida deve ser o conceito fundamental do que venha a ser revelação. O que é revelação? James I. Packer nos apresenta o seguinte conceito mostrando que “o termo procede do latim “revelare” e significa “tirar o véu” ou “descobrir[2] Este é o conceito mais básico que podemos ter a respeito deste vocábulo.
            1.1 – O que é a revelação Geral?
            Podemos apresentar a questão da revelação sob a seguinte definição como aquela forma de Deus se revelar por meio das coisas que foram criadas” a revelação geral tem dois aspectos: (1) Revelação Geral Imediata (2) Revelação Geral Mediada.
            1.1.1 – Revelação Geral Imediata.
            A Confissão de Fé de Westminster começa a sua declara em termos interessantes e importantes para a vida da Igreja: “Ainda que a luz da natureza [ no homem]”[3] Este aspecto da revelação de Deus diz respeito aquela revelação que Deus faz de si mesmo ao homem sem precisar de meios para fazê-lo, por exemplo, quando a Lei de Deus foi implantada no coração de todos os homens, conforme aprendemos na Escritura conforme vemos em Romanos 2.14-16:
Quando, pois, os gentios, que não têm lei, procedem, por natureza, de conformidade com a lei, não tendo lei, servem eles de lei para si mesmos. Estes mostram a norma da lei gravada no seu coração, testemunhando-lhes também a consciência e os seus pensamentos, mutuamente acusando-se ou defendendo-se, no dia em que Deus, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens, de conformidade com o meu evangelho.
            Observe a expressão "norma da lei gravada no coração”; [4] a palavra norma no grego = ergon no grego que significa trabalho de onde vem a nossa palavra energia o trabalho da lei. A segunda palavra que aparece no texto de romanos é "gravada" a palavra grega aqui é grapton = esculpir, registrar, entalhar a obra da lei foi esculpida ou trabalhada em nossos corações; a isto nós chamamos de Revelação Geral Imediata.
Calvino chama isso de semente da religião ou senso da divindade:
Nós, inquestionavelmente, afirmamos que os homens têm em si mesmos certo senso da divindade; e isto, por um instinto natural. ...Deus mesmo dotou todos os homens com certo conhecimento de sua divindade, cuja memória ele constantemente renova e ocasionalmente amplia.[5]
             É uma revelação direta de Deus sem meios ao homem, por isso, se chama de revelação geral imediata. Isso implica no fato de que ninguém nasce ateu neste mundo criado, pois, todos os homens nascem com o senso de Deus implantado dentro deles; e mais, que isso o homem é um ser moral porque a lei foi colocada em seu coração.
           

            1.1.2 – Revelação Geral Mediata:
            Ainda lemos na Confissão de Fé de Westminster o seguinte: “[...]e as obras da criação e da providência de tal modo manifestem a bondade, a sabedoria e o poder de Deus[...]”. Podemos definir este aspecto da revelação geral  consiste no fato de Deus dá-se a conhecer por meio das coisas que foram criadas. Paulo Anglada nos lembra que o “universo físico é uma pregação” [6] ao declarar isso tem em mente textos das Escrituras como Salmo 19.1-4:
Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem, nem há palavras, e deles não se ouve nenhum som; no entanto, por toda a terra se faz ouvir a sua voz, e as suas palavras, até aos confins do mundo. Aí, pôs uma tenda para o sol.
          Aqui vislumbramos a noção de que a revelação de Deus para ser comunicada necessita de meios. O texto que temos diante de nós nos apresenta essa verdade.
         O que faz os céus? “proclamam a glória de Deus”, o verbo proclamar no hebraico é mesaperim ~yriPe.s;)me. este verbo tem o sentido de “narrar”, “contar com exatidão”, “revelar”, “pregar”, “ser selecionado e destinado para contar algo”. A criação é o canal no qual Deus se apresenta diante dos homens como sendo o criador de tudo o que existe. Neste sentido podemos dizer, sem sombra de dúvida, que a criação é puramente revelacional. Ela não está vinculada a uma crença peculiar do judaísmo sobre a origem de todas as coisas. Antes de tudo é a própria revelação de Deus.
         Paulo vai ecoar esta mesma tônica sobre a Revelação geral de Deus na criação conforme vemos em Romanos 1.18-20:
A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça; porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis;
            Tudo o que homem pode conhecer sobre Deus como criador de tudo o que existe está ligado à criação. Isso é bem ilustrado no texto que acabamos de citar. Paulo reconhece que a criação é revelacional, ela nos apresenta Deus.
            Os atributos de Deus são manifestados neste aspecto da Revelação Geral. A bondade de Deus; a sabedoria e o poder. Isto implica que toda a criação que vemos mostra-nos Deus nestas três facetas: ele é bom poque decidiu criar-nos, ele é sábio poque sabe porque nos trouxe à existência e é poderoso porque do nada criou todo o universo que conhecemos.
            1.2 –  A Revelação Geral e o Conhecimento Redentivo.
            Na revelação geral  o homem não tem um conhecimento redentivo. Ou seja, ele não é salvo porque contempla o vê as obras da criação e da providência; a Confissão de Fé é enfática neste aspecto, ao declarar “que os homens ficam inescusáveis, contudo não são suficientes para dar aquele conhecimento de Deus e da sua vontade necessário para a salvação;”.
            A revelação geral torna o homem mais cupável diante de Deus; eles ficam indesculpáveis diante de Yahweh conforme lemos em Romanos 1.20: “Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis;”. Ainda que o homem tenha esse conhecimento de Deus que fica indesculpável, pois, este conhecimento não pode promover o conhecimento de Deus como redentor, apenas mostra-nos Yahweh como o Criador de tudo o que há.
2 – REVELAÇÃO ESPECIAL.
          Isto posto somos agora introduzidos ao segundo aspecto da revelação de Deus. Deus ele se revela redentoramente ao homem de uma forma especial; esta forma é chamada pela teologia de Revelação Especial. Poderíamos dizer que a Revelação Especial de Deus é uma forma de revelação mediada, pois, ela significa que Deus revelou-se nas páginas das Escrituras. Ou seja, toda a Bíblia é a revelação de Deus. Na Bíblia Deus se revela como criador e redentor do homem.
      A Confissão de Fé nos apresenta uma definição ímpar deste aspecto da Revelação de Deus:
[...]por isso foi o Senhor servido, em diversos tempos e diferentes modos, revelar-se e declarar à sua Igreja aquela sua vontade; e depois, para melhor preservação e propagação da verdade, para o mais seguro estabelecimento e conforto da Igreja contra a corrupção da carne e malícia de Satanás e do mundo, foi igualmente servido fazê-la escrever toda. [...]
            Aqui são importantes aspectos que precisam ser estudados com mais parcimônia. Esta declaração dos teólogos de Westminster. Pois, nesta declaração temos conceitos importantes para compreendermos a Revelação de Deus nas Escrituras.
            2.1 – A Natureza  desta Revelação:
            Aqui temos a caracterização desta revelação de Deus dada ao homem, isto pode nos ajudar a entender a supremacia da Palavra de Deus para o homem.
            2.1.1 – Ela era  Progressiva
            A Confissão reconhece o conceito de progressividade da revelação ao dizer: “por isso foi o Senhor servido, em diversos tempos e diferentes modos, revelar-se” aqui nós temos o conceito de progressividade “diversos tempos e diferentes modos, revelar-se”, ou seja, Deus revelou sua palavra em diferentes locais. O autor da carta aos hebreus nos lembra esta grande verdade: “Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo.”(Hebreus 1.1-2)
            2.1.2 – Ela era Orgânica:
            A revelação especial é orgânica – ela é a mesma mensagem tem o mesmo conteúdo desde o seu inicio; o conceito de orgânica pode ser exemplificado do seguinte modo imaginemos que temos um caroço de manga que plantamos naquela semente temos a mangueira de forma potencial, quando ele germina e cresce, assim, temos a mangueira que é o caroço de manga plantado.
            2.2 – A Finalidade da Revelação Especial:
            Aprendemos pela Confissão de Fé de Westminster que a Revelação Especial tem objetivos específicos na vida do povo de Deus, eis o que diz a nossa declaração de fé:
“[...] e depois, para melhor preservação e propagação da verdade, para o mais seguro estabelecimento e conforto da Igreja contra a corrupção da carne e malícia de Satanás e do mundo, [...]”
2.2.1 – Preservação da Verdade:
            Deus em sua santa e sábia sabedoria decidiu que a sua revelação tinha que ser preservada; a verdade é preservada por Deus, por meio da revelação especial – a doutrina da preservação traz paz ao coração da Igreja em saber que a mensagem redentora de Deus não se perdeu no tempo. A Escritura nos mostra isso de forma bem clara: “Para que a tua confiança esteja no SENHOR, quero dar-te hoje a instrução, a ti mesmo.  Porventura, não te escrevi excelentes coisas acerca de conselhos e conhecimentos,  para mostrar-te a certeza das palavras da verdade, a fim de que possas responder claramente aos que te enviarem?”(Provérbios 22.19-21)
            Nós temos a certeza de que as palavras que lemos na Bíblia é verdade de Deus porque ele assim o quis.
2.2.2 – Propagação da Verdade:
            A verdade não deveria apenas ser preservada, mas também ser propagada, anunciada, dita e proclamada. Deus preservou as suas palavras para que a partilhemos com os outros, uma vez que nós precisamos da verdade para nos orientar, nos guiar na tomada de decisões de igual modo ela deve ser propagada aos homens. Foi o que Lucas fez: “igualmente a mim me pareceu bem, depois de acurada investigação de tudo desde sua origem, dar-te por escrito, excelentíssimo Teófilo, uma exposição em ordem, para que tenhas plena certeza das verdades em que foste instruído”.(Lucas 1.3-4)
2.2.3 – A Santidade da Igreja:
            A Escritura como revelação de Deus é dada “para o mais seguro estabelecimento e conforto da Igreja contra a corrupção da carne e malícia de Satanás e do mundo
            Ou seja, a igreja não é enganada quando tem a Escritura como centro de sua vida, e se há hoje enganos na Igreja é porque se está negligenciado a Escritura. Isto porque a Igreja tem três grandes inimigos: a corrupção da carne, a malicia do acusador e acusação do mundo. Por isso, com a Escritura a Igreja é santificada. Sem ela os homens não podem ser consolados e santificados: Rom. 15:4; Mat. 4:4, 7, 10; Isa. 8: 20.
3 – CARACTERÍSTICAS DA REVELAÇÃO.
            A nossa Confissão de Fé, com base na Palavra de Deus, apresenta-nos duas características importantes a respeito da revelação especial, quando afirma: “[Deus] foi igualmente servido fazê-la escrever toda. Isto torna indispensável a Escritura Sagrada, tendo cessado aqueles antigos modos de revelar Deus a sua vontade ao seu povo.
            3.1 - É uma revelação completa: “foi servido escrever toda”
            Aqui nós aprendemos que à Escritura nada a falta está completa para aquilo que ela se destina revelar ao homem. O apóstolo Paulo já dá mostra desta verdade em Romanos 15.4: “Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança.”
            3.2 -  É um a revelação suficiente: “isto torna a escritura indispensável, tendo cessado as antigas formas de Deus se comunicar”.
            O registro da verdade gera a infalibilidade e a suficiência da Palavra de Deus. Os teólogos  chamam esta verdade de Sola Scriptura – Somente as Escrituras, indicando assim, que aquelas antigas formas de Deus se comunicar, como sonhos, profecias, visões e línguas já cessaram a muito tempo [discutiremos isso com mais propriedade em outro estudo]. A palavra de Deus  nos é suficiente conforme lemos na Bíblia Sagrada em 2 Timóteo  2.15-17: 
e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus.  Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça,  a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.
Conclusão: Temos visto que o estudo da Revelação de Deus nos ajuda a compreender mais sobre ele e a sua palavra que nós foi manifestada; as implicações disso são importantes e severas para nós. Precisamos estudar a Palavra de Deus para que assim possamos saber como adorá-lo como convém e amá-lo com todo o nosso entendimento.




[1] CLARCK, Gordon. H. Em Defesa da Teologia. Tradutor: Marcos José Soares de Vasconcelos. Brasília: Editora Monergismo, 2010, p.21.
[2] PACKER, James I. Vocábulos de Deus. São Paulo: FIEL, 2002, p.15
[3] Devemos entender que a CFW [Confissão de Fé de Westminster] tem o entendimento que a frase “luz da natureza diz respeito a semente da religião implantada no ser humano”
[4] to. e;rgon tou/ no,mou grapto.n evn tai/j kardi,aij auvtw/n – to ergon tou nomou grapton en tais kardiais autôn – Literalmente: a obra da lei esculpida nos corações deles.
[5] CALVINO, João. Institutas da Religião Cristã. São Paulo: Cultura Cristã, 2009 – Livro II, I,43
[6] ANGLADA, Paulo R. B. Sola Scriptura – A doutrina Reformada das Escrituras. São Paulo: Os Puritanos, 1998, p.26

Nenhum comentário:

Postar um comentário