Pular para o conteúdo principal

A DOUTRINA DA JUSTIFICAÇÃO - SEGUNDA PARTE



Estudos na Confissão de Fé de Westminster.
Professor Rev. João Ricardo Ferreira de França.
DA JUSTIFICAÇÃO. – CAPÍTULO 11.
Seção II: A fé, assim recebendo e assim repousando em Cristo e em sua justiça, é o único instrumento da justificação; ela, contudo, não está sozinha na pessoa justificada, mas é sempre acompanhada de todas as demais graças salvíficas; não é uma fé morta, mas que age através do amor.
Introdução:
          Chegamos a mais uma exposição da nossa confissão de Fé. O nosso estudo se concentrará na temática da relação entre a Fé e a Justificação, pois, em nossos dias este tópico precisa de um esclarecimento mais aguçado.
          Em muitas igrejas temos visto a ênfase na fé como sendo aquilo que salva o homem, ou seja, a base de toda a salvação; ora, não é isto que ensina a Palavra de Deus. A palavra de Deus nos ensina de forma clara que a fé não a base para receber a justificação; mas que é apenas um instrumento para que a justificação seja uma realidade na vida do pecador. Vejamos o que podemos aprender desta seção da Confissão de Fé de Westminster.
I – A DUPLA AÇÃO DA FÉ.
          Em relação à obra redentiva a fé possui uma dupla ação conforme vemos na declaração dos teólogos de Westminster “A fé, assim recebendo e assim repousando em Cristo e em sua justiça”, aqui temos de forma clara o que é de fato a ação da fé salvadora:
1.1        – A fé recebe a Cristo e a sua justiça: o ato de receber a Cristo não significa atividade do homem, mas a passividade da fé em aceitar gratuitamente o seu redentor. A fé assemelha-se a mão do pedinte que estende vazia para Deus esperando dele a graça que há em Cristo. O Apóstolo João vai nos dizer exatamente isso no seu evangelho capítulo 1.12
1.2        A fé  repousa em Cristo: O segundo aspecto da fé salvadora é que ela repousa inteiramente em Cristo Jesus. Ou seja, ela não descansa em si mesma – não é fé na fé, mas em Cristo Jesus. Observamos que a fé não é à base da justificação, mas é a pessoa de Cristo. Conforme aprendemos em Romanos 3.24-28; ou seja, não há obras praticadas por nós, existe apenas a obra de Cristo!
II – A FÉ É O ÚNICO INSTRUMENTO DA JUSTIFICAÇÃO.
                   Precisamos saber que a fé é o único instrumento de nossa justificação perante Deus. Este é ponto que muitos ignoram e acabam tornando a fé como sendo a base da justificação. Isso é bem ilustrado em Romanos 5.1. Paulo neste texto nos mostra que somos justificados por meio da fé, e assim, a nossa relação com Deus está em perfeita harmonia graças ao sacrifício expiatório [ morte substitutiva de Cristo na Cruz do calvário ].
                   Os homens só podem ser declarados justos quando Cristo se torna o objeto da fé desse homem, em outras palavras, a justiça de Cristo vem a nós por causa da fé que é um instrumento – é um meio pelo qual nos apropriando da justificação, e não podemos ignorar o fato de que a fé é um dom de Deus – isso implica que nada vem de nós tudo vem da graça de Deus.
III – A FÉ SEMPRE VEM ACOMPANHADA DE OUTRAS GRAÇAS SALVADORAS.
A Confissão de Fé reconhece que fé nunca está “sozinha na pessoa justificada, mas é sempre acompanhada de outras graças salvíficas”, sendo uma fé operosa. E como se dá isso?
3.1 – É fé que nos leva a prática de boas obras: Uma vez que a fé já habita no coração da pessoa justificada – que foi perdoada por Deus – então, esta pessoa viverá uma vida que pratica a boas obras conforme nos exige o evangelho de Jesus Cristo conforme lemos em Tiago 2.17,22,26 – se assim, não se proceder implica dizer que esta fé não existe na vida daquela que a professa, ou seja, na vida prática tal pessoa está dizendo que não é genuinamente um cristão.
3.2 – É uma fé que age motivada pelo amor: uma vez que o eleito é chamado e justificado ele deve de fato agir pelo amor, evitando tudo aquilo que busca ferir o outro, ou mesmo, que macula o evangelho, tal com acepção, e descriminação – pois, o amor deve governar a fé da igreja de forma suprema isso nós aprendemos em Gálatas 5.6. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TEOLOGIA BÍBLICA 01 - A HISTÓRIA DA TEOLOGIA BÍBLICA

Adquira o módulo do curso por um valor de R$ 60,00
BOTÃO AO LADO DO PAGUE SEGURO.

NOSSA INIMIGA, A ESCOLA DO ESTADO

NOSSA INIMIGA, A ESCOLA DO ESTADO* John Cobin, Ph.D. Não conhecer o nosso inimigo é algo precário, para dizer o mínimo. Achamo-nos em grave perigo quando nosso inimigo se encontra estabelecido de forma incógnita em nosso meio. Nosso inimigo usa, de forma efetiva, artifícios para se disfarçar como algo inofensivo ou mesmo benigno em um dado momento no tempo. Contudo, o terrível pesadelo social que é gerado é algo que se pode avaliar a longo prazo. Porque teríamos que esperar logo menos sagaz das forças que conduzem a escravidão? Qual instituição brasileira, acima das demais, que tem feito muito para minar a liberdade e moralidade em nossa sociedade? Alguém poderia pensar nos grupos de ativistas gay, os meios de comunicações mais influentes, os grupos feministas de ação, a indústria da pornografia, ou inclusive a própria Receita Federal ou o Banco Central com sua taxa de juros. No entanto, apesar de mau que são essas instituições, não há instituição que por si mesma tenha produzido tant…

ATOS DOS APÓSTOLOS - Questões Introdutórias ao Livro.

Módulo I – O Pano de Fundo  de Atos dos Apóstolos Aula 01 – Questões Introdutórias ao Livro.
ATOS DOS APÓSTOLOS Rev. João França
INTRODUÇÃO:
            O livro de Atos dos Apóstolos narra os primeiros trinta anos após a ascensão de Jesus ao Pai. Um livro riquíssimo no qual devemos mergulhar para o entendermos.  Este é um capítulo inspirador da História da Igreja. Na verdade, o Livro que nos propomos estudar neste curso é a primeira história eclesiástica neotestamentária[1].             Este livro trata de modo particular como viveu a Igreja logo após a entronização[2] de Cristo! O título atribuído ao livro já suscitou na vida da igreja algum certo debate, os que preferem o título conforme se encontra em nossas bíblias “PRAXEIS APOSTOLWN” (Praxeis Apostolon) ou “Práticas dos Apóstolos” tem um apoio na Igreja Primitiva[3], outros tem sugerido que o título do livro é infeliz e que por isso deveria chamar-se Atos do Espírito Santo.[4]Mas, certamente falta evidências suficientes para isto…