Pular para o conteúdo principal

A AUTORIA DO LIVRO DE GÊNESIS

A AUTORIA DO LIVRO DE GÊNESIS
Prof. Rev. João Ricardo Ferreira de França.
Introdução:
            O livro de Gênesis tem sido estudado e debatido ao longo dos  séculos. No Século XIX ele foi alvo de uma gama de considerações, especulações no meio acadêmico de forma geral. E uma das ocupações destas discussões certamente concentra-se sobre a temática: Quem escreveu Gênesis? O nosso estudo se ocupa desta temática.
I -  A AUTORIA MOSAICA DO LIVRO DE GÊNESIS.
            A pergunta dominante entre os eruditos em Antigo Testamento é a seguinte: Moisés escreveu Gênesis? Dois problemas decorrem da resposta oferecida a esta importante questão: “Negue que Moisés escreveu o Pentateuco, e alguns suspeitarão, da sua lealdade à fé. Afirme que Moisés escreveu o Pentateuco, e outros questionarão a sua inteligência”[1].
            A questão da autoria do livro de Gênesis está vinculada a compreensão de quem Escreveu o Pentateuco. Esse questionamento concernente à autoria se dá porque “tecnicamente Gênesis é um livro anônimo”[2]. Então, a busca pela autoria do livro deve-se estender pela procura do autor do conjunto de livros que formam o Pentateuco.
            A tradição da igreja tem sustentando que Moisés seja o autor dos cinco primeiros livros da Bíblia. Um erudito em Antigo Testamento declara:
O autor humano do Pentateuco foi Moisés, o grande legislador de Israel. É fato que não existe nenhuma introdução, anotação, ou declaração  que a obra em toda a sua extensão seja produto de Moisés (Cronill). Contudo, há um testemunho convincente, de que Moisés escreveu o Pentateuco.[3]
             Quais  são as indicações que nos levam a crer que Moisés seja o autor do livro de Gênesis.

1. Somos informados no Pentateuco que Moisés recebeu revelação e registrou atos redentores:
          O autor do Gênesis recebera de Deus revelações e registrou atos redentores para a posteridade conforme somos ensinados na totalidade dos cinco livros da Lei.  E tais registros são atribuídos a Moisés:
1.1 – Ele escreveu centros acontecimentos históricos: (Êxodo 17.14; Números 33.2)
1.2 – Ele escreveu leis: (Êxodo 24.4; 34.27)
1.3 – Ele escreveu um Cântico (Deuteronômio 31.22; veja-se Deuteronômio 32)
2. Há indicações à atividade de escrita por Moisés.
            Na leitura que fazemos do Pentateuco há fortes indicações que liga a autoria dos cinco livros a Moisés.
2.1 – Há indicação de que Moisés deixou uma tradição escrita: (Josué 1.6,7).
2.2 – Posteriormente os israelitas referem-se ao Pentateuco como sendo a “Lei de Moisés” ( 2º Crônicas 25.4; Esdras 6.18; Neemias 13.1)
2.3 – O Novo Testamento assevera que o Pentateuco é obra de Moisés: (Mateus 19.7; 22.24; Marcos 7.10; João 1.17; 5.46; 7.23).
            Notemos que tais textos não se referem diretamente ao Livro que estamos estudando, mas refere-se ao Pentateuco, o qual Gênesis é considerado o primeiro capítulo. Por isso, consideramos que Gênesis tenha a sua autoria associada a Moisés.
II -  DIFICULDADES COM A AUTORIA MOSAICA DO LIVRO DO GÊNESIS.
            Apesar de toda esta evidência a respeito da autoria do Livro ainda existem dificuldades em relacionar Moisés como o autor da totalidade do Pentateuco. O exemplo mais gritante é o caso de Deuteronômio 34 que trata da Morte de Moisés; será que Moisés escreveu a sua própria morte? Alguns têm apelado para a questão de uma revelação especial de Deus. Todavia, é provável que se trate de uma edição posterior à morte de Moisés. Mas, será que isso invalida a questão da autoria mosaica para o livro como um todo? Vejamos mais alguns exemplos:

2.1 – Dificuldades Posteriores a Moisés:
1. A correção de dados Geográficos e históricos:
Gênesis 11.28,31; 15.7 – Nesta narrativa figura o nome da cidade de Abrão “Ur dos Caldeus”. A cidade de Ur sua existência é aceita pelos eruditos, o problema está no designativo da cidade “dos Caldeus”. Os Caldeus foi um povo que viveu no primeiro milênio antes de Cristo; consequentemente posterior a Moisés, ou seja, ele já estava morto.
O que ocorreu? Alguém adicionou o designativo para localizar o leitor exatamente onde era a cidade. E, isso foi necessário ser feito porque havia outras cidades com o nome de Ur. Então, ao acrescentar essa designação a intenção era mostrar de qual cidade vinha o ancestral do povo de Deus.[4]
2 . Alteração de Nomes e Lugares:
            O nosso segundo exemplo vem de Gênesis 14. Nesta passagem é-nos dito que Abrão luta com os reis para libertar ao seu sobrinho Ló. No verso 14 aparece o nome da cidade de Dã; entretanto,  o nome da cidade foi dado muito tempo depois de Abraão conforme vemos em Juízes 17-18; tal cidade já existia no tempo do patriarca, mas sob o nome de Laís. Fica-se claro que tal empreitada editorial da alteração do nome da cidade era para que os leitores soubessem onde realmente ficava esse lugar.
2.2 – Dificuldades Anteriores a Moisés:
            Devemos nos lembrar de que o Livro do Gênesis é uma narrativa dos inícios; tais, como a criação do mundo. A pergunta a ser feita é como Moisés tomou conhecimento dos eventos da criação anteriores a sua própria existência? Alguns poderão dizer que tratou-se de uma revelação divina; todavia, essa possibilidade na composição do livro não cientifica e nem salutar para as nossas pesquisas.[5] A posição que entendemos pelas evidências do texto de Gênesis é que Moisés utilizou-se de outras fontes para compor o livro. Vejamos:
1. Há fórmulas Literárias que indicam o uso de fontes:
            Existe na narrativa de Gênesis uma fórmula literária que é chamada de “Toledot” que são sentenças que começam pela expressão hebraica: “אֵ֣לֶּה תוֹלְד֧וֹת ” – ‘eleh Tholedoth” que tem como tradução “estas são as gerações de”.  É bom que se diga que o livro do Gênesis tem sido estruturado de diversas formas. Alguns tem sugerido que o livro possui várias seções, embora tais estruturas, não sejam facilmente percebida em nosso idioma. “Isso ocorre porque, na maioria das traduções, a palavra hebraica toledoth é traduzida por mais de uma expressão em português. A expressão hebraica completa ’elleh toledoth, que aparece onze vezes no livro de Gênesis.”[6]
"ESSAS SÃO AS GERAÇÕES DE..."
Fórmula
Conteúdo
Referência
No princípio, criou Deus...
Criação
1.1 – 2.3
Esta é a gênese dos céus e da terra
Criação
2.4 – 4.26
Este é o livro da genealogia de Adão
Genealogia de Sete a Noé
5.1 – 6.8
Eis a história de Noé.
Dilúvio & Aliança
6.9 – 9.29
São estas as gerações dos filhos de Noé, Sem, Cam e Jafé
Base das nações & Babel
10.1 – 11.9
São estas as gerações de Sem
Genealogia de Sem a Abrão.
11.10-26
São estas as gerações de Tera.
História de Abrão
11.27 – 25.11
São estas as gerações de Ismael, filho de Abraão,
Genealogia de Ismael
25.12-18
São estas as gerações de Isaque, filho de Abraão.
Transmissão de bênção de Isaque para Jacó
25.19 – 35.29
São estes os descendentes de Esaú
Genealogia de Esaú
36.1-43
Esta é a história de Jacó
José & Israel no Egito
37.1 – 50.26

            Estas fórmulas tratam-se de materiais escritos previamente, antes mesmo de Moisés existir, que pode ser provado em Gênesis 5.1 que trata do “livro das gerações de Adão” conforme lemos no próprio texto hebraico: “סֵ֔פֶר תּוֹלְדֹ֖ת ” – Sefer Tholedoth. Então, já havia uma tradição escrita da qual o autor do livro de Gênesis fez uso.
2. Parece haver indicações de autoria múltipla no texto de Gênesis.
            Outra dificuldade que encontramos em respeito à autoria mosaica do livro de Gênesis está no fato de que o próprio livro parece indica que há mais de um autor em sua composição final. Vejamos alguns exemplos:
2.1 – O caso da venda de José (Gênesis 37.25-28):
            A questão é que a passagem narra a venda de José o filho preferido de Jacó. E a questão perturbadora no texto é a seguinte: Para quem os filhos de Jacó venderam José? Para os Ismaelitas ou Medianitas ? Alguns sugerem que havia dois relatos da venda de José por causa dessa alternância dos nomes; implicando, que o texto não é fruto de um único autor.
            “Os dois termos são usados de forma intercambiáveis (Juízes 8.24); “Daí parece que “ismaelita” era um termo inclusivo, abrangendo os primos nômades de Israel (Ismael era o rebento mais velho de Abraão), mais ou menos como o termo “ árabe” abarca numerosas tribos em nossa maneira de falar, podendo alternar com um dos seus nomes sem ofensa ou erro.”[7]
2.2 – O Relato da criação (Gênesis 1 e 2)
            Ambos os relatos foram escritos de uma perspectiva diferente e até com pontos de tensão. Por exemplo, em Gênesis 1 a vegetação e criado no terceiro dia e o homem no sexto. Já em Gênesis 2.5 é nos dito que o casal é edênico foi criado quando não havia erva alguma no campo. A explicação que muitos oferecem é de que se trata de dois relatos escritos por autores diferentes. Todavia, a narrativa se concentra na ordem lógica, “a saber, que quando Deus fez a terra, esta não era inicialmente o hospitaleiro lugar que conhecemos (Não havia ainda nenhuma planta... ainda nenhuma erva, 5)”[8]. A linguagem aqui é informativa. O autor informa ao leitor o processo da criação.


[1] LONGMAN III, Tremper. Como Ler Gênesis. Tradução: Marcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 2009, p.47.
[2] Idem.
[3] YOUNG, Edward J. Una Introducción Al Antiguo Testamento, MI: TELL, 1991, p.32.
[4]LONGMAN III, Tremper. Como Ler Gênesis. Tradução: Marcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 2009, p.50

[5] Deixamos claro que cremos na revelação que Deus fez de si mesmo por meio da instrumentalidade dos homens chamados por ele mesmo; tais como o próprio Moisés que recebeu diretamente das mãos de Deus os dez mandamentos.
[6] LONGMAN III, Tremper. Como Ler Gênesis. Tradução: Marcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 2009, p.72
[7] KDINEY, Derek, Gênesis – Introdução e Comentário, Tradução: Odayr Olivetti, São Paulo: Vida Nova,  P.171
[8] Ibid, p.56.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TEOLOGIA BÍBLICA 01 - A HISTÓRIA DA TEOLOGIA BÍBLICA

Adquira o módulo do curso por um valor de R$ 60,00
BOTÃO AO LADO DO PAGUE SEGURO.

NOSSA INIMIGA, A ESCOLA DO ESTADO

NOSSA INIMIGA, A ESCOLA DO ESTADO* John Cobin, Ph.D. Não conhecer o nosso inimigo é algo precário, para dizer o mínimo. Achamo-nos em grave perigo quando nosso inimigo se encontra estabelecido de forma incógnita em nosso meio. Nosso inimigo usa, de forma efetiva, artifícios para se disfarçar como algo inofensivo ou mesmo benigno em um dado momento no tempo. Contudo, o terrível pesadelo social que é gerado é algo que se pode avaliar a longo prazo. Porque teríamos que esperar logo menos sagaz das forças que conduzem a escravidão? Qual instituição brasileira, acima das demais, que tem feito muito para minar a liberdade e moralidade em nossa sociedade? Alguém poderia pensar nos grupos de ativistas gay, os meios de comunicações mais influentes, os grupos feministas de ação, a indústria da pornografia, ou inclusive a própria Receita Federal ou o Banco Central com sua taxa de juros. No entanto, apesar de mau que são essas instituições, não há instituição que por si mesma tenha produzido tant…

ATOS DOS APÓSTOLOS - Questões Introdutórias ao Livro.

Módulo I – O Pano de Fundo  de Atos dos Apóstolos Aula 01 – Questões Introdutórias ao Livro.
ATOS DOS APÓSTOLOS Rev. João França
INTRODUÇÃO:
            O livro de Atos dos Apóstolos narra os primeiros trinta anos após a ascensão de Jesus ao Pai. Um livro riquíssimo no qual devemos mergulhar para o entendermos.  Este é um capítulo inspirador da História da Igreja. Na verdade, o Livro que nos propomos estudar neste curso é a primeira história eclesiástica neotestamentária[1].             Este livro trata de modo particular como viveu a Igreja logo após a entronização[2] de Cristo! O título atribuído ao livro já suscitou na vida da igreja algum certo debate, os que preferem o título conforme se encontra em nossas bíblias “PRAXEIS APOSTOLWN” (Praxeis Apostolon) ou “Práticas dos Apóstolos” tem um apoio na Igreja Primitiva[3], outros tem sugerido que o título do livro é infeliz e que por isso deveria chamar-se Atos do Espírito Santo.[4]Mas, certamente falta evidências suficientes para isto…